Taxa de custódia do Tesouro Direto cairá para 0,25% em janeiro

De acordo com balanço, novembro registrou recorde das aplicações de pequenos investidores

Otavio Ladeira de Medeiros, secretário do Tesouro NacionalOtavio Ladeira de Medeiros, secretário do Tesouro Nacional - Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

A taxa de custódia dos títulos do Tesouro Direto cairá de 0,3% para 0,25% ao ano a partir de janeiro de 2019, informou o Tesouro Nacional nesta quinta-feira (27). A redução do custo ao investidor foi negociada com a bolsa de valores B3, responsável por operar as transações do programa. A taxa de custódia é cobrada pela B3 para armazenar os títulos.

Como o saldo total investido no programa está em R$ 53 bilhões, o Tesouro estima que a redução de 0,05% na taxa provocará um aumento total de R$ 26 milhões no ganho anual dos investidores do programa. De acordo com o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira, a redução pode incentivar pequenos investidores.

Em novembro, já houve recorde de participação das aplicações em valores inferiores a R$ 1.000 no Tesouro Direto. Esses investidores representaram 64% do total. Ladeira ressaltou que, além da taxa de custódia, instituições financeiras também vêm reduzindo as taxas de administração para o Tesouro Direto.

Leia também:
Contas públicas têm déficit de R$ 16,2 bilhões em novembro
Receita bate recorde em apreensão de mercadorias irregulares
Arrecadação do pré-sal para a União alcança R$ 1,133 bilhão em 2018
Juros do cartão de crédito e cheque especial sobem em novembro


Corretoras já trabalham com taxa de 0% para administrar os títulos. Agora, bancos de grande porte baixaram o percentual de 0,5% para 0%. Nesses casos, a soma das taxas, que antes chegava a 0,8% ao ano, passará para 0,25% a partir de janeiro. "O tesouro direto, que já era competitivo, comparando com aplicações para os pequenos investidores, ficou ainda mais competitivo", disse o secretário.

Segundo ele, a taxa de custódia cobrada pela B3 banca os custos de manutenção do sistema e um programa de educação financeira. "Poderia sim reduzir mais. Mas ao reduzir, a gente perderia esse braço importante do programa, que é a agenda de educação financeira", afirmou.

Veja também

Pandemia mudou a relação dos brasileiros com tecnologias bancárias
Economia

Pandemia mudou a relação dos brasileiros com tecnologias bancárias

Pix representa 30% dos pagamentos e transferências no Brasil, diz Febraban
Economia

Pix representa 30% dos pagamentos e transferências no Brasil, diz Febraban