Taxa média de juros sobre o crédito volta a cair, diz Anefac

Para as pessoas físicas, houve recuo de 0,04 ponto percentual e 1,13 ponto percentual no ano

JurosJuros - Foto: Arte FolhaPE

As taxas de juros incidentes sobre as operações de crédito apresentaram, em janeiro, a segunda queda consecutiva e a terceira redução nos últimos dois anos, segundo levantamento feito pela Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). Para as pessoas físicas, houve recuo de 0,04 ponto percentual e 1,13 ponto percentual no ano. Na média, a taxa ao mês baixou de 8,16% para 8,12% e ao ano de 156,33% para 155,2%. Essa variação foi a menor desde julho do ano passado.

Três das seis linhas de crédito tiveram as taxas reduzidas de dezembro para janeiro: juros do comércio (de 5,88% para 5,84%); no cartão de crédito-rotativo (de 15,33% para 15,12%) sobre o cheque especial (de 12,58% para 12,46%). Nas demais modalidades, o crédito ficou mais caro: CDC-bancos-financiamento de veículos (de 2,32% para 2,35%), empréstimo pessoal-bancos (de 4,58% para 4,62%) e empréstimo pessoal financeiras (de 8,29% para 8,34%).

Crédito para as empresas


A taxa média de juros para as empresas diminuiu em 0,02 ponto percentual no mês, passando de 4,74% para 4,72%. No ano, houve redução de 74,32% para 73,92%. Duas das três modalidades apresentaram queda: capital de giro (de 2,62% para 2,57%) e desconto de duplicatas (de 3,19% para 3,13%). Já em conta garantida-cheque especial, o juros subiram de 8,42% para 8,46%.

A Anefac observa que de março de 2013 a janeiro deste ano, a taxa básica de juros (Selic) aumentou 5,75 pontos percentuais ou 79,31% ao passar de 7,25% para 13% ao ano. Nesse mesmo período, a taxa das linhas para pessoa física subiu 76,42%, saltando de 87,97% para 155,2%. No caso das empresas, a alta chegou a 69,62% (de 43,58% para 73,92%).

Na avaliação do diretor executivo de estudos e pesquisas da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, a baixa na média da taxa de juros é reflexo da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que, no último dia 11, promoveu redução na Selic e da possibilidade de nova retrações diante da queda da inflação.

Ele destacou por meio de nota que “desde outubro de 2016 o Banco Central começou a flexibilizar sua política monetária com a redução da Selic. Tendo em vista a melhora das expectativas quanto à redução da inflação bem como na melhora fiscal deveremos ter novas reduções da taxa básica de juros, o que reduz o custo de captação dos bancos possibilitando novas reduções das taxas de juros nas operações de crédito”.

Oliveira, no entanto, alertou para o risco de aumento da inadimplência diante do atual cenário de desaquecimento da economia, o que implicaria em novas elevações das taxas de juros.

Veja também

Comitê da Petrobras vê conflito de interesses em dois indicados para conselho da empresa
Estatal

Comitê da Petrobras vê conflito de interesses em dois indicados para conselho da empresa

Bitcoin dispara 98% neste ano e atrai novos investidores
Negócios

Bitcoin dispara 98% neste ano e atrai novos investidores