renda cidadã

TCU e Congresso veem tentativa de drible no teto em proposta do Renda Cidadã

Parlamentares chamaram de calote a limitação de gastos com precatórios para aumentar programa social

Congresso NacionalCongresso Nacional - Foto: Marcelo Casall Jr./Agência Brasil

O anúncio de que o Renda Cidadã, programa com o qual o governo quer substituir o Bolsa Família, deve ser financiado com limitação dos gastos de precatórios e recursos do Fundeb (fundo para educação básica) gerou críticas de que se trataria de tentativa de driblar o teto de gastos.

No TCU (Tribunal de Contas da União) e no Congresso, a proposta foi vista como uma maneira de turbinar o programa social com uma "contabilidade criativa", mesma estratégia usada para melhorar o resultado fiscal do país no governo Dilma Rousseff.

Até entre auxiliares do ministro Paulo Guedes (Economia), a solução encontrada é vista como uma "pedalada".
Pela proposta apresentada, o governo prevê limitar a 2% da receita corrente líquida o gasto com precatórios (ordem para pagamento de dívidas de órgãos públicos federais). O que sobrasse, até R$ 55 bilhões, seria usado no Renda Cidadã.

Além disso, quer usar 5% dos recursos novos do Fundeb para ajudar as famílias que estarão no programa a manter os filhos na escola.

As primeiras reações apareceram menos de uma hora após a divulgação. Auxiliares do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), consideraram inadmissível financiar o Renda Cidadã com dinheiro destinado a precatórios e classificaram a medida como calote.

Além disso, avaliaram que o uso de recursos do Fundeb para abastecer o programa desrespeita o teto de gastos.

Em uma rede social, Maia escreveu que governo e Congresso "precisam enfrentar o desafio de regulamentar o teto de gastos JÁ". "Essa indefinição pode provocar mais uma crise que vai impactar a vida dos brasileiros, adiando ainda mais a recuperação econômica provocada pela pandemia", afirmou.

Líderes da oposição qualificaram de pedalada a intenção de usar o dinheiro reservado para precatórios.

"O que o governo está fazendo é anunciando que não vai mais pagar em dia suas dívidas judiciais, fazendo uma enorme pedalada fiscal, de cerca de R$ 20 a R$ 30 bilhões por ano", escreveu o líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon (RJ). Para ele, isso criará uma "bola de neve fiscal".

Molon também criticou a decisão de retirar dinheiro do Fundeb para financiar o Renda Cidadã. Segundo o deputado, o ideal seria "buscar recursos para uma renda básica na reforma tributária, que precisa fazer os super-ricos pagarem imposto no Brasil, o que não ocorre". O governo previa enviar nesta segunda (28) uma nova fase de sua proposta, mas adiou a entrega do texto por falta de consenso com o Congresso.

A deputada Sâmia Bomfim (SP), líder do PSOL na Câmara, qualificou de grave a proposta de financiar o Renda Cidadã com recursos do Fundeb e afirmou que o uso de dinheiro para precatórios é "a confissão de que se quer fazer uma pedalada".

A líder do PCdoB na Câmara, deputada Perpétua Almeida (AC), considerou a busca por recursos do Fundeb como "um calote na educação básica, diminuindo os repasses para estados e municípios".

"É drible e é calote. Porque ele quer mexer, reduzindo um recurso para estados e municípios que já está na Constituição para educação básica", disse.

No TCU, o ministro Bruno Dantas também se manifestou contra a proposta em uma rede social. Na avaliação dele, tentar mudar o teto de gastos com a PEC (proposta de emenda à Constituição) emergencial é juridicamente possível, mas o "problema é o significado político para o compromisso com gestão fiscal responsável".

"Emenda constitucional pode tirar dinheiro do Fundeb para mascarar mudança do teto? Pode, mas por que tergiversar?", escreveu. Dantas afirma que a despesa com o Fundeb está fora do teto de gastos.

"Inflar o Fundeb para, em seguida, dele tirar 5% para financiar outro programa, é rigorosamente o mesmo que inserir mais uma exceção no parágrafo 6º do art. 107. Por que não fazê-lo às claras?", indagou.

Ele também criticou a utilização de recursos de precatórios, afirmando que a medida "parece truque para esconder a fuga do teto de gastos".

"Reduz a despesa primária de forma artificial porque a dívida não desaparece, apenas é rolada para o ano seguinte. Em vez do teto estimular economia de dinheiro, estimulou a criatividade", disse o ministro do TCU.

Veja também

Com pandemia, Receita registra em 2020 menor arrecadação em dez anos
Arrecadação

Com pandemia, Receita registra em 2020 menor arrecadação em dez anos

BNDES aprova financiamento de R$ 450 milhões para exportação de aviões
Economia

BNDES aprova financiamento de R$ 450 milhões para exportação de aviões