Saúde

Telemedicina dá impulso a startups voltadas para saúde

A busca por atendimento médico cresceu por meios virtuais

TeleconsultaTeleconsulta - Foto: Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco

Startups voltadas para a saúde que conseguiram se adaptar rapidamente ao aumento da demanda por cuidados e à mudança na legislação tiveram resultados surpreendentes na pandemia. Isso porque o distanciamento social acelerou processos por alternativas tecnológicas para os cuidados com a saúde.

A busca por atendimento médico cresceu por meios virtuais, enquanto em um primeiro momento consultórios se esvaziaram e tratamentos de muitas doenças diminuíram.

Soma-se a isso o fato de que no início da pandemia o governo federal autorizou, em caráter emergencial, a telemedicina –uma demanda antiga do setor e para a qual muitas empresas já estavam se preparando.

Como resultado, apps e serviços virtuais de cuidados tiveram um boom nos últimos meses. As soluções vão além da oferta de teleconsultas e passam por prontuários eletrônicos, uso de inteligência artificial para prescrições de fármacos e gestão de consultórios.

Foi o caso, por exemplo, da Mobile Saúde, dedicada a desenvolver tecnologias para telemedicina e autoatendimento. A empresa oferece soluções digitais para cem operadoras de planos de saúde e diz ter atendido 7 milhões de pessoas durante a pandemia - a previsão é que a startup dobre de tamanho em 2020.

"Quando a pandemia aconteceu, a primeira coisa que fizemos foi intensificar serviços a que clientes poderiam ter acesso. Liberamos o uso do chat em nossa plataforma, para não sobrecarregar a central telefônica", diz o sócio-fundador Jean Schulz. "Já tínhamos um projeto também para telemedicina, que desengavetamos em três semanas."


A agilidade para se adaptar à nova realidade foi uma constante entre as empresas do setor - muitas já estavam se preparando para a chegada da telemedicina desde 2018, mas colocaram de pé seus sistemas em poucas semanas.

"De um dia para o outro tudo acelerou de uma forma nunca vista antes", diz Ian Bonde, presidente-executivo da ViBe Saúde, pioneira em saúde primária digital no Brasil.

A ViBe oferece um app gratuito com linhas de cuidado e tem mais de 500 mil usuários. O plano, diz Bonde, é chegar a 5 milhões até o fim de 2021.

Veja também

Presidente da Eletrobras troca empresa pela BR Distribuidora
Economia

Presidente da Eletrobras troca empresa pela BR Distribuidora

Mundo perdeu 255 milhões de empregos na pandemia
Economia

Mundo perdeu 255 milhões de empregos na pandemia