Temer confirma nome de Ivan Monteiro como novo presidente da Petrobras

A troca ocorre após a decisão de Pedro Parente em deixar o comando da Petrobras, anunciada no final da manhã desta sexta-feira

Presidente da República Michel TemerPresidente da República Michel Temer - Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Michel Temer confirmou o nome de Ivan Monteiro para ser recomendado como presidente efetivo da Petrobras. Ele falou à imprensa na noite desta sexta-feira (1º), após reunir-se com Monteiro no Palácio do Planalto. Temer aguardou a  decisão do Conselho de Administração da Petrobras, que indicou o diretor financeiro da estatal para ocupar interinamente o cargo. 

Leia também
Governo diz que política de preços da Petrobras não será afetada
Política de preços da Petrobras divide especialistas
Conselho indica Ivan Monteiro para presidir Petrobras interinamente


“Comunico que o escolhido hoje como interino, Ivan Monteiro, será recomendado ao Conselho de Administração para ser efetivado na presidência da Petrobras”, disse. Em rápido pronunciamento, o presidente também reafirmou o apoio à política de preços praticada pela empresa, que segue os preços internacionais do barril de petróleo para precificar seus produtos.

“Reafirmo que meu governo mantém o compromisso com a recuperação e a saúde financeira da companhia. Continuaremos com a política econômica que nesses dois anos tirou a empresa do prejuízo e a trouxe para o rol das mais respeitadas do Brasil e do exterior. Declaro também que não haverá qualquer interferência na política de preços na companhia”.

Monteiro ocupava até então a direção executiva da Área Financeira e de Relacionamento com Investidores da Petrobras. A troca ocorre após a decisão de Pedro Parente em deixar o comando da Petrobras, anunciada no final da manhã desta sexta-feira.

Veja também

Pandemia pode impactar retomada do Brasil em 2021, diz Fitch
Economia

Pandemia pode impactar retomada do Brasil em 2021, diz Fitch

Vazamento pode ter exposto na internet 220 milhões de dados pessoais de brasileiros
Internet

Vazamento pode ter exposto 220 milhões de dados de brasileiros