Temer faz plano para blindar reforma da Previdência de lista do Fachin

Receio é que a abertura de investigações contra o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, possa atrasar o cronograma de votação e obrigar o presidente a fazer novas flexibilizações para aprová-la

Presidente da República, Michel TemerPresidente da República, Michel Temer - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente Michel Temer elabora estratégia para evitar que a reforma da Previdência seja afetada pela autorização de abertura de inquérito contra oito ministros da gestão peemedebista.

Com a decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin de dar prosseguimento aos pedidos da Procuradoria-Geral da República, o peemedebista tem tratado do tema desde a noite de terça-feira (11) com auxiliares da área econômica e política.

O receio é que a abertura de investigações contra o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, principal articulador da proposta junto ao Congresso, e contra o relator da reforma previdenciária, deputado federal Arthur Maia (PPS-BA), possa atrasar o cronograma de votação e obrigar o presidente a fazer novas flexibilizações para aprová-la.

A ideia do presidente é tentar blindar a proposta do aspecto político e reforçar o seu aspecto técnico. Para isso, o Palácio do Planalto pretende aumentar as aparições públicas de ministros como Henrique Meirelles (Fazenda) e Dyogo Oliveira (Planejamento) em defesa da iniciativa.

A estratégia é transformá-los em "garotos propaganda" da reforma, tentando desvincular a iniciativa de ministros do núcleo político. O presidente também irá intensificar a defesa da proposta em discursos públicos, reforçando que, sem ela, a situação do país poderá ficar ainda mais instável.

Em relação à base aliada, Temer avalia reunir-se pessoalmente com cada bancada governista até o final da semana que vem e deve permanecer em Brasília no feriado para se encontrar com ministros e parlamentares. Nas palavras de um aliado do presidente, a reforma é uma boa maneira de tentar "tirar o foco" das denúncias contra governistas.

Com o mesmo objetivo, Temer também aumentará o número de agendas públicas no esforço de impor uma pauta positiva e tentar demonstrar normalidade, reforçando que a abertura de inquéritos não irá paralisar o governo peemedebista.

O Palácio do Planalto não esperava que a divulgação da lista acontecesse antes da Páscoa, às vésperas da apresentação do relatório da reforma, marcada para a segunda-feira (17).

A avaliação é que os pedidos de Fachin contra ministros e parlamentares podem causar "turbulência" no Congresso, atrapalhando o andamento do texto.

O presidente decidiu não se posicionar publicamente sobre o pedido de investigação de nove ministros e determinará que cada auxiliar faça sua defesa individual daqui para frente.

No primeiro momento, afirmam assessores, Temer não vai demitir nenhum deles, mas quer evitar o desgaste generalizado de seu governo.

Veja também

Fretamento aéreo vive seu pior momento em Manaus
Amazonas

Fretamento aéreo vive seu pior momento em Manaus

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego
Economia

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego