Temer prevê queda dos juros para um dígito

A declaração do presidente ocorreu um dia após o BC anunciar um corte de 0,75 na Selic, para 13% ao ano

Raquel Lyra inaugura Ambulatório MultiprofissionalRaquel Lyra inaugura Ambulatório Multiprofissional - Foto: Jorge Farias

 

O presidente Michel Temer afirmou que, “pouco a pouco“, a taxa básica de juros, a Selic, vai “sair dos dois dígitos para um dígito só”. Temer não deu prazo, porém, para que isso ocorra. Na quarta-feira passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central surpreendeu o mercado e anunciou redução da Selic em 0,75 ponto percentual, para 13% ao ano.

“Uma coisa que perturba a vida industrial, o setor de serviços, é a questão dos juros. Juros muito altos revelam desestímulo para quem quer investir [na produção]. Neste breve período [no Governo], primeiro foi 0,50 [ponto percentual de redução na Selic], agora [quarta] foi 0,75. E nós vamos nessa toada, digamos assim, sem que eu queira dar palpite na área financeira, pouco a pouco sair dos dois dígitos para um dígito só, em matéria de juros na economia brasileira”, disse Temer.

O presidente esteve em Praia Grande (litoral de São Paulo) para a inauguração de uma escola municipal batizada com o nome de um de seus irmãos, Fued Temer, morto em 1995. Em entrevista coletiva ao final do evento, ele foi questionado sobre a redução da taxa básica de juros e respondeu que se trata de uma projeção. “Há uma projeção - nada certo, evidentemente - no sentido de que os juros venham caindo paulatinamente, porém, responsavelmente. E isso já teve repercussão no mercado financeiro. Os bancos já começaram também a reduzir as suas taxas de juros”, disse.

O peemedebista buscou destacar medidas que considera positivas para a recuperação econômica. “Precisamos injetar recurso na economia brasileira. Há pouco tempo tivemos uma ideia, fruto dos diálogos do nosso Governo, que nos permitiu liberar todas as contas inativas do FGTS. Isso representa mais ou menos R$ 30 bilhões que, a partir de fevereiro, começarão a ser sacados. Nós vamos esclarecer isso até em propaganda pela televisão”, afirmou.

Ainda segundo Temer, medidas de seu Governo levaram à redução dos juros do crédito rotativo do cartão de crédito. “O crédito rotativo tinha juros de 480%. Eu chamei o dirigente da área econômica e falei ‘Assim não dá, não. Não vamos tolerar isso’. Conversamos, ajustamos, porque nada neste governo é feito de cima para baixo, e conseguimos que os juros viessem a menos da metade, portanto a 180% mais ou menos”, afirmou.

 

Veja também

2021-2029. Quais forças ditarão na próxima década? Parte III
Diplomacia Econômica

2021-2029. Quais forças ditarão na próxima década? Parte III

Consumidor deve ter calma ao aceitar produtos financeiros
Economia

Consumidor deve ter calma ao aceitar produtos financeiros