A-A+

Petrobrás

Temor de interferência em preços trava venda de refinarias da Petrobras

O plano de venda de oito refinarias foi anunciado em junho de 2019

Sede da Petrobras Sede da Petrobras  - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A menos de um mês do primeiro prazo estabelecido pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para a venda de suas refinarias, a Petrobras está com negociações suspensas para três das oito unidades incluídas em seu plano de desinvestimentos.

Para analistas e executivos do setor, o temor de intervenção gerado pelas recorrentes declarações do governo e seus aliados em meio à escalada dos preços está dificultando as conversas e pode adiar o processo de abertura do segmento de refino para depois da eleição de 2022.

A Petrobras diz que "segue plenamente comprometida" com a venda de oito refinarias, que representam cerca de 50% da capacidade brasileira de produção de combustíveis, mas internamente já se sabe que os prazos atuais não serão cumpridos.

Há um mês, o diretor de Exploração e Produção da companhia, Fernando Borges, chegou a admitir em evento virtual que o risco de interferência política dificulta investimentos em refino no país. A empresa, porém, preferiu não comentar o assunto.

O plano de venda de oito refinarias foi anunciado em junho de 2019, como parte de um acordo com o Cade para encerrar processo de abuso de poder econômico no mercado de combustíveis. As conversas foram atrasadas pela pandemia, o que levou à prorrogação do cronograma.

Inicialmente, a previsão era que todas as negociações estivessem concluídas, com os pagamentos já feitos, até o fim de 2021. Agora, a Petrobras tem até o fim de outubro para assinar os contratos de cinco unidades e até dezembro para assinar o contrato de mais uma.

Outras duas já foram vendidas: a Refinaria Landulpho Alves, na Bahia, foi comprada pelo fundo árabe Mubadala; e a Refinaria Isaac Sabá, no Amazonas, pela distribuidora de combustíveis Atem.

A Petrobras diz manter negociações em andamento para a venda da Refinaria Gabriel Passos, em Minas Gerais, da Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste, no Ceará, e da Unidade de Industrialização do Xisto, no Paraná.

Mas suspendeu este ano as conversas envolvendo a Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, a Refinaria Getúlio Vargas, no Paraná, e a Refinaria Alberto Pasqualini, no Rio Grande do Sul. As três têm prazo final para assinatura de contratos no fim do mês.

A primeira, uma das obras símbolo do esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato não chegou a receber propostas. Segundo executivos do setor, dificilmente alguém aceitará pagar o suficiente para que a Petrobras recupere o elevado valor da obra feita na virada dos anos 2010.

Para a refinaria do Paraná, a estatal chegou a receber propostas, mas avaliou que ficaram abaixo de sua avaliação econômico-financeira. Foi o primeiro processo a ser encerrado pela estatal, ainda no início de 2021.

A última negociação suspensa foi a da refinaria do Rio Grande do Sul, que vinha sendo feita com o grupo Ultra, dono da distribuidora de combustíveis Ipiranga, com forte presença na região Sul. No início do mês, a Petrobras informou que "certas condições críticas não tiveram êxito para um acordo".

O jornal Folha de S.Paulo apurou que o risco de interferência política sobre o negócio de refino teve influência para encerrar as conversas.

Desde o início do ano, o governo e seus apoiadores têm demonstrado insatisfação com a escalada dos preços dos combustíveis. Em fevereiro, após uma série de aumentos, o presidente Jair Bolsonaro demitiu o primeiro presidente da Petrobras em seu governo, Roberto Castello Branco.

Seu substituto, o general Joaquim Silva e Luna, prometeu seguir a política de alinhamento dos preços internos às cotações internacionais, mas reduziu abruptamente a frequência de reajustes e permitiu que a empresa passe a operar com defasagens maiores e por períodos mais longos.

Na última quarta-feira (6), por exemplo, a diferença entre os preços internos da gasolina e do diesel em relação às cotações internacionais chegava a R$ 0,52 por litro. Segundo cálculos da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis).

Nesta sexta (8), a estatal recompôs parte das perdas na gasolina, ao anunciar aumento de R$ 0,26, ou 7,2%. Ainda assim, a própria companhia admite que a alta compensa apenas parte da variação do petróleo e do câmbio, elementos-chave em sua política de preços.

A expectativa do mercado é que a pressão sobre a gestão da empresa cresça ainda mais, na medida em que a eleição se aproxime, já que períodos eleitorais costumam gerar ainda mais ruídos sobre o câmbio e, consequentemente, sobre os preços dos combustíveis.

Na véspera da eleição de 2002, por exemplo, a Petrobras chegou a recuar num reajuste do gás de cozinha depois que o então candidato governista José Serra (PSDB) reclamou do impacto negativo dos preços dos combustíveis sobre sua campanha.

Em 2014, a direção da Petrobras passou o ano eleitoral pedindo ao então ministro da Fazenda, Guido Mantega, para autorizar reajustes, o que acabou ocorrendo apenas depois do segundo turno, episódio que virou alvo de investigações da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e do Ministério Público.

"Esse não é o timing perfeito para a venda desses ativos", diz o analista da Ativa Corretora, Ilan Arbetman. "O fator preço é fundamental no processo de formação de expectativas, que por sua vez é fundamental na conclusão dessas negociações."

Ele cita como exemplo o caso da refinaria do Rio Grande do Sul, avaliada pela Ativa em US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 8,3 bilhões). "Para dar um lance desse, a empresa tem que ter expectativa de taxas de retorno reais e esse imbróglio sobre o preço dos derivados traz dúvidas sobre a taxa de retorno do projeto."

A Petrobras diz que abrirá novos processos competitivos para buscar interessados pelas refinarias que tiveram as negociações suspensas, mas dificilmente os prazos atuais, que foram definidos em aditivo ao acordo com o Cade assinado em julho, serão cumpridos.

"A companhia segue plenamente comprometida com a venda de oito refinarias, em alinhamento à sua estratégia de gestão de portfólio e ao compromisso firmado com o Cade para vender 50% de sua capacidade de refino", disse a empresa, em nota enviada à reportagem.

Veja também

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto
Ibovespa

Bolsa tem pior semana desde baque da pandemia com drible no teto

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro
Tesouro nacional

Ministério da Economia indica Paulo Valle para Secretaria do Tesouro