Imposto de Renda

Teve o salário reduzido ou suspenso em 2020? Saiba como declarar no Imposto de Renda

Declaração de Imposto de Renda para quem recebeu o BEm é diferenciadaDeclaração de Imposto de Renda para quem recebeu o BEm é diferenciada - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O prazo para a entrega do Imposto de Renda 2021 foi adiado pela Receita Federal, podendo ser realizado até o dia 31 de maio – há um projeto aprovado no Senado que pretende postergar até 31 de julho, mas ainda não foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro. Com o adiamento, os trabalhadores que tiveram sua jornada e salários reduzidos ou o contrato suspenso, recebendo o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm), terão mais tempo para enviarem o IR de forma correta.  

Por ser uma novidade do Imposto de Renda 2021, alguns trabalhadores podem ter dúvidas sobre o que deve ser declarado e como deve ser feito. “Se o empregado teve alguma redução ou contrato suspenso, ele provavelmente recebeu o BEm. Neste benefício, o Governo Federal pagou uma parte do salário, em razão da redução que foi realizada entre os meses de abril e dezembro. Nestes casos, é preciso declarar os valores, pois eles são tributáveis”, disse a advogada especialista em direito tributário do escritório Da Fonte Advogados, Mirella Lucena.

A Folha de Pernambuco falou com especialistas e preparou um passo a passo para que os trabalhadores que receberam o benefício não tenham problemas na hora de declarar o Imposto de Renda.

Inicialmente, deve-se consultar a carteira de trabalho digital para verificar os valores e as parcelas que foram pagas pelo Governo Federal. “A carteira digital pode ser acessada pelo aplicativo ou pelo site. Se o beneficiário tiver cadastro em algum site do governo, como o Meu INSS, o app já puxa os seus dados - se não lembrar a senha, é só redefinir. Caso contrário, é preciso fazer o cadastro, fornecendo as informações pedidas”, explicou Mirella Lucena. 

Na parte inferior do site ou aplicativo, o trabalhador deve selecionar a opção benefícios e escolher o Benefício Emergencial. Nele, vai constar o valor e a quantidade de parcelas que foi paga pelo governo. Com isso, o beneficiário deve somar os valores e as parcelas para ter a quantia total recebida pela federação. É este valor total que será declarado no Imposto de Renda.

No programa do Imposto de Renda, que também pode ser acessado pelo site ou aplicativo, o trabalhador insere o CPF e seleciona a aba “Rendimentos Tributáveis”. “Nesta aba o beneficiário vai informar o rendimento recebido pelo empregador, que consta no informe de rendimentos que a empresa disponibiliza. Além disso, também deve-se incluir o valor recebido pelo benefício”, disse Mirella Lucena.

Quando for incluir as informações referentes ao BEm, o trabalhador deve indicar o valor total somado que consta na carteira de trabalho digital. Na seção de fonte pagadora, o beneficiário insere o CNPJ do Ministério da Economia, que é o 00.394.460/0572-59. Ao dar o OK, a Receita Federal calculará o imposto devido, somando todos os rendimentos recebidos.

Existe, ainda, a possibilidade de o trabalhador ter recebido ajuda compensatória por parte da empresa contratante. “O benefício tinha um limite de valor a ser pago pelo governo. Vamos supor que o trabalhador tinha um salário de R$ 6 mil, teve redução de 50% e o governo, devido ao limite, só pagou R$ 2 mil. Neste caso a empresa poderia pagar a metade, R$ 3 mil, conforme o BEm, e também oferecer a ajuda compensatória de R$ 1 mil, para completar o salário”, explicou o auditor-fiscal e delegado da Receita Federal em Maceió, Reinaldo Carlos Alves de Almeida.

Essa ajuda compensatória é isenta e as informações sobre esse valor devem vir no informe de rendimentos entregue pela empresa. Para inserir no Imposto de Renda, o trabalhador entra na aba “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, seleciona a opção 26 – Outros, e coloca o CNPJ da fonte pagadora. A Receita Federal recomenda que na descrição seja inserido o texto “Ajuda Compensatória”.

Com isso, o trabalhador irá declarar todos os rendimentos que recebeu no Benefício Emergencial.

Info Imposto de Renda

Veja também

Boeing terá que inspecionar todos os seus 737 mais antigos nos EUA
Aviação

Boeing terá que inspecionar todos os seus 737 mais antigos nos EUA

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial
Economia

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial