Economia

Tinder e Grindr são acusados de vender dados dos usuários

O Grindr, destinado especificamente ao grupo LGBT, compartilha dados de GPS, direção IP, idade e sexo de seus usuários com mútliplas empresas para melhorar a eficiência dos anúncios publicitários

TinderTinder - Foto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Os aplicativos de relacionamento Tinder e Grindr vendem dados pessoais de seus usuários a empresas terceirizadas, incluindo sua orientação sexual no caso do Grindr, em violação à normativa europeia, denunciou nesta terça-feira um organismo norueguês.

O Conselho de Consumidores da Noruega assegurou que o Grindr, destinado especificamente ao grupo LGBT, compartilha dados de GPS, direção IP, idade e sexo de seus usuários com mútliplas empresas para melhorar a eficiência dos anúncios publicitários.

Ao compartilhar esses dados, se pode deduzir a orientação sexual dos usuários, acrescentou.

Leia também:
Aumento do trabalho por conta própria está relacionado a aplicativos
Fiocruz cria aplicativo para mapear zonas de risco para população LGBT no Brasil

Segundo o relatório "Out of control" (fora de controle) escrito pelo Conselho de Consumidores norueguês sobre coleta e uso de dados pessoais por parte de dez aplicativos, "a indústria publicitária está infringindo sistematicamente a lei".

"Cada vez que você abre um app como Grindr, as empresas publicitárias sabem sua localização GPS, os identificadores utilizados para iniciar sessão no dispositivo e até se você usa um aplicativo de relacionamento gay", denunciou o ativista austriaco Max Schrems.

"É uma violação descarada dos direitos europeus de privacidade dos usuários", lamentou o Conselho de Consumidores, um organismo independente que beneficia de fundos públicos.

O relatório também envolve o Tinder, acusado de compartilhar dados de seus usuários com pelo menos 45 empresas de seu proprietário, o Grupo Match.

Segundo o Conselho de Consumidores norueguês, essas práticas podem levar a casos de discriminação, manipulação ou exploração.

O Grindr, controlado pela empresa chinesa Beijing Kunlun, foi procurado pela AFP mas não quis comentar a denúncia.

Veja também

Apple bate recorde de vendas nos últimos três meses de 2021, apesar da escassez de chipsSmatphones

Apple bate recorde de vendas nos últimos três meses de 2021, apesar da escassez de chips

Mega-Sena acumula de novo e vai a R$ 31 milhões; confira as dezenas sorteadasLoteria

Mega-Sena acumula de novo e vai a R$ 31 milhões; confira as dezenas sorteadas