Torre ganhará centro gastronômico

Empreendimento será chamado de Mercado da Torre e levará 19 lojas e restaurantes para o imóvel que era ocupado pelo Sesi

Projeto Mercado da TorreProjeto Mercado da Torre - Foto: Divulgação

Recife vai ganhar um centro gastronômico que será instalado no bairro da Torre, na Zona Oeste do Recife. O empreendimento com área total de 5.700 metros quadrados (m²) vai se chamar Mercado da Torre e contemplará um total de 19 lojas e restaurantes de diversas especiarias. Com a previsão de ser inaugurado em dezembro, o espaço está localizado no antigo prédio do Serviço Social da Indústria (Sesi) do bairro, que passará por melhorias em sua estrutura para se adaptar ao projeto.

À frente do empreendimento, os empresários Ricardo Batista e Adriana Batista tiveram inspiração no Mercado de Ourique, em Lisboa, Portugal, que tem sua divisão em lojas de itens gastronômicos diferentes. “Tivemos inspiração internacional para criar o Mercado da Torre, que vai ter serviços de frutas, verduras, carnes, sushi, delicatessen e outros. É uma região carente deste tipo de atividade e nossa ideia é atrair o público a partir do grande fluxo que atravessa a área”, destacou Ricardo Batista.

O investimento, ainda não divulgado, será feito com participação de empresas parceiras do setor. “Ainda estamos na conclusão do projeto, por isso não podemos precisar o valor a ser investido. Mas contará com algumas empresas”, informou Batista, ao complementar que foi feito um acordo com o Sesi para utilização do espaço. "Estabelecemos o formato de aluguel a ser pago mensalmente para a instituição”, explicou.

Leia também:
2017: O ano em que a gastronomia local recuperou o fôlego
Mercado da Encruzilhada com novas opções gastrô

De acordo com o superintendente do Sesi, Nilo Simões, a unidade que estava sem funcionamento gerava despesas elevadas com manutenção. “O prédio demandava recursos com valor expressivo. Então, resolvemos fechar o aluguel do espaço no valor em torno de R$ 40 mil por mês e passar a ter receitas para investirmos em outras unidades, como a de Goiana e do Cabo”, informou Simões, complementando que o contrato fechado há cerca de três meses tem validade de cinco anos. “Este não é o momento de venda porque o mercado está em retração, por isso encontramos o modelo de aluguel para acordar negócios”, acrescentou.

O espaço terá uma área construída de 3.700 m², divididos em uma loja âncora com 1000 m², quatro lojas com 150 m² e 14 lojas com 9 m². “A âncora será a Portus Delicatessen, em que vamos replicar a estrutura da loja localizada na Avenida Rosa e Silva. Será um grande espaço de gastronomia, mas não posso adiantar o nome das outras lojas porque estamos em fase de finalização dos acordos”, disse Batista. A construção do espaço está prevista para iniciar em abril. “Estamos aguardando a licença de implantação autorizada pela prefeitura da cidade, mas a expectativa é dar início a construção o mais breve possível, ainda em abril”, contou Batista.

Para Batista, a expectativa é de ótimos negócios. “É uma área de serviços gastronômicos para o consumidor. Será um modelo interessante para ser replicado em outras regiões do Recife”, finalizou Batista.

Veja também

Legalização de jogos vira bandeira no Senado para bancar o Renda Cidadã
Jogos de Azar

Legalização de jogos vira bandeira no Senado para bancar o Renda Cidadã

Confaz divulga nova tabela de preço médio de combustíveis
Gasolina

Confaz divulga nova tabela de preço médio de combustíveis