Trabalhador sem estudo é o que mais desiste de buscar vaga de emprego

Essa desesperança atinge ainda mais as mulheres, que hoje representam 54,7% do grupo de desalentados

Número de desalento cresce em PernambucoNúmero de desalento cresce em Pernambuco - Foto: Alfeu Tavares / Folha de Pernambuco

Metade dos trabalhadores que desistiram de procurar uma vaga de emprego por estarem sem esperança -chamados de desalentados- tem o ensino fundamental incompleto, segundo dados divulgados na quinta-feira (20) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Essa desesperança atinge ainda mais as mulheres, que hoje representam 54,7% do grupo de desalentados. A análise do Ipea é feita com base nos dados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE, e tem como base o segundo trimestre deste ano.

Leia também:
Setor de serviços gerou 60% dos empregos criados em agosto
Desemprego recua em julho, mas número de desalentados bate novo recorde


Segundo Maria Andréia Parente Lameiras, técnica de planejamento e pesquisa do instituto, as mulheres sem estudo sofrem sem perspectivas e, por isso desistem de buscar vagas. "Muitas não são chefes de família e, quando encontram uma possível colocação, a avaliação é de que pagar para alguém para olhar os filhos fica até mais caro", avalia.

Por faixa etária, o desalento é maior entre os jovens de 18 a 24 anos e chega a atingir 25,3%. Já dentre os menos desesperançados estão os chefes de família, que correspondem a 30,8%. Maria Andréia acredita que, por ser responsável pelo lar, esse trabalhador não desiste fácil.

Veja também

Nova meta do governo prevê fibra ótica em 99% da cidades brasileiras
Tecnologia

Nova meta do governo prevê fibra ótica em 99% da cidades brasileiras

Dólar volta a R$ 5,40 com tensões no mercado externo
Câmbio

Dólar volta a R$ 5,40 com tensões no mercado externo