Economia

Transformar crise de saúde em farra eleitoral é inaceitável, diz Guedes

Inicialmente, o governo apresentou um pacote de R$ 88,2 bilhões para trazer alívio aos entes durante a pandemia do novo coronavírus

Paulo Guedes, ministro da economiaPaulo Guedes, ministro da economia - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Em referência ao pacote de socorro a estados e municípios aprovado pela Câmara, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta segunda-feira (20) que é inaceitável transformar uma crise de saúde em farra eleitoral.

Inicialmente, o governo apresentou um pacote de R$ 88,2 bilhões para trazer alívio aos entes durante a pandemia do novo coronavírus, incluindo repasses diretos, renegociação e suspensão de dívidas e facilitação de crédito.

Como o pacote incluía contrapartidas de ajuste fiscal, foi criticado por parlamentares e governadores, que articularam uma proposta alternativa.

Leia também:
Maia diz que equipe de Guedes usa fake news contra socorro a estados
Coronavírus revelou carências sistêmicas dos serviços de saúde, afirma G20


O novo texto, aprovado na Câmara, sob o comando do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), prevê uma compensação variável por parte da União para perdas de arrecadação ICMS (imposto estadual) e ISS (municipal). Pelas contas do governo, o impacto da medida será de R$ 93 bilhões em caso de recuo de 30% dessas receitas, mas pode superar R$ 200 bilhões se a perda de arrecadação for maior.

"É inaceitável transformar uma crise de saúde em uma farra eleitoral. Isso é inaceitável. E não é republicano, não pode ser assim. Não vamos comprometer o futuro do Brasil transformando uma crise de saúde gravíssima em uma crise fiscal sem precedentes, numa explosão dos orçamentos da República", disse.

O ministro argumentou que é irresponsabilidade fiscal comprometer a União com um pagamento futuro imprevisível. Segundo ele, o governo articula uma mudança no texto com o Senado, que ainda votará a medida.

Uma contraproposta do governo foi apresentada, mais enxuta e sem valor variável de repasses. O impacto do pacote, incluindo medidas já adotadas, é de R$ 127,3 bilhões.

Guedes afirma ter conversado com senadores e com o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP). O ministro disse que os parlamentares concordam em incluir no texto uma contrapartida: o congelamento de salários de servidores públicos.

"É absolutamente imprescindível que venha a contribuição do funcionalismo público agora, nos três níveis, durante dois anos, não se falar em aumento de salários", afirmou.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Aneel mantém bandeira tarifária verde para junho
Energia Elétrica

Aneel mantém bandeira tarifária verde para junho

Quase 29 milhões de declarações do IR foram entregues, diz Receita
Imposto de Renda

Quase 29 milhões de declarações do IR foram entregues, diz Receita