TST determina que Correios pague funcionários durante período de greve

No sexta-feira (13), os funcionários dos Correios foram notificados de que não receberiam durante o período de greve

Os trabalhadores dos Correios decidiram suspender a greve até o julgamento do Dissídio. Os trabalhadores dos Correios decidiram suspender a greve até o julgamento do Dissídio.  - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O ministro Mauricio Delgado, do TST (Tribunal Superior do Trabalho), determinou nesta quinta-feira (19) que os Correios não efetue descontos salariais decorrente dos sete dias não trabalhados em virtude da greve decretada pelo setor no último dia 10. A paralisação da categoria foi suspensa na terça-feira (17).

No sexta-feira (13), os funcionários dos Correios foram notificados de que não receberiam durante o período de greve.

Na quinta-feira (12) a Fentect e a Findect (federações dos trabalhadores do setor) participaram de uma audiência convocada pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho) após a ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) entrar com um pedido de dissídio coletivo de greve diante da mobilização da categoria em todo o país.

Leia também:
Funcionários dos Correios suspendem greve após assembleia
Correios: TST determina que 70% dos funcionários mantenham atividades

O dissídio é um recurso adotado quando não há um acordo entre os trabalhadores, que são representados pelos sindicatos, e empregadores.

A categoria é contra a privatização dos Correios, ponto defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Segundo o ministro Mauricio Delgado, como os funcionários mostram-se dispostos à negociação na audiência do dia 12, o não pagamento dos sete dias de paralisação poderiam resultar na volta da greve da categoria, gerando prejuízo para os dois lados, visto que o julgamento do dissídio coletivo estar marcado para o próximo dia 2 de outubro.

Procurado pela Folha de S.Paulo, os Correios não se posicionaram sobre o caso até a publicação desta matéria.

No dia 4 de setembro, os Correios rejeitaram uma mediação do TST (Tribunal Superior do Trabalho) com funcionários.

Os trabalhadores reivindicavam reajuste salarial pela inflação, de 3,43%, e a manutenção de benefícios -como ter os pais como dependentes no plano de saúde e a continuidade de percentual de férias de até 70% e vales alimentação e refeição.

Veja também

Brasil tem espaço para novo auxílio emergencial 'bem modesto', diz Fitch
Economia

Brasil tem espaço para novo auxílio emergencial 'bem modesto', diz Fitch

Governo lança revitalização do sistema de alta tensão de Furnas
Itaipu

Governo lança revitalização do sistema de alta tensão de Furnas