TECNOLOGIA

Tubarão fantasma e Manta Ray: Drones subaquáticos indicam futuro da guerra no mar

Fabricantes de nova geração de armamentos militares classificam projetos como os 'veículos autônomos mais avançados do mundo'; China também teria modelo semelhante

Protótipo do veículo subaquático Manta Ray é testado no mar na Austrália Protótipo do veículo subaquático Manta Ray é testado no mar na Austrália  - Foto: Divulgação/Northrop Grumman/DARPA

Tubarão Fantasma e Manta Ray. Esses são os nomes dos protótipos de veículos subaquáticos autônomos — também chamados de UUVs ou drones subaquáticos — que, segundo especialistas, podem representar o futuro da guerra no fundo do mar. Os dois projetos foram recentemente introduzidos pela Austrália e pelos Estados Unidos e devem atuar na defesa naval do Pacífico, publicou a CNN nesta terça-feira.

O uso de drones na guerra aérea não é tão recente: os Estados Unidos já os usaram durante conflitos no Iraque e no Afeganistão a partir da década de 1990, e equipamentos mais novos e baratos hoje são essenciais para ambos os lados na invasão da Ucrânia pela Rússia. Drones aquáticos construídos por Kiev, por exemplo, chamaram a atenção em fevereiro, quando serviços de inteligência ucranianos alegaram ter afundado um navio de guerra russo, o lançador de foguetes Ivanovets.

Drones aéreos e marítimos de superfície podem ser controlados com satélites de ondas de luz e rádio — mas esses não funcionam da mesma maneira nas profundezas. Ainda conforme a CNN, um estudo de 2023 divulgado na revista suíça Sensors apontou que as comunicações subaquáticas apresentam perda significativa de dados devido a variáveis como temperatura da água, salinidade e profundidade.

Os fabricantes dessa nova geração de equipamentos militares não esclarecem como devem resolver esses problemas, mas, em abril, quando a Austrália apresentou o Tubarão Fantasma, os protótipos foram chamados de “veículos autônomos subaquáticos mais avançados do mundo”. Autoridades australianas, porém, afirmaram que não podem compartilhar especificações sobre a construção, uma vez que as informações permanecem confidenciais.

“O Tubarão Fantasma fornecerá à Marinha uma capacidade de guerra submarina autônoma, furtiva e de longo alcance, capaz de conduzir operações persistentes de inteligência, vigilância, reconhecimento e ataques”, declarou o Ministério da Defesa australiano, acrescentando que os primeiros modelos devem ser entregues até o final do próximo ano. O órgão ressaltou a rapidez com que o submersível passou da ideia para os testes, e afirmou que o programa foi iniciado há apenas dois anos.

— Estar dentro do orçamento e adiantado em relação ao cronograma é algo bastante incomum — disse Shane Arnott, vice-presidente sênior de engenharia da fabricante Anduril Australia, aos repórteres.

 

‘Uma variedade de missões’
Emma Salisbury, do think tank britânico Council on Geostrategy, disse que o Tubarão Fantasma parece muito o Orca, um UUV (veículo subaquático autônomo, na sigla em inglês) desenvolvido nos EUA. Ela disse presumir que “todos eles se destinam a conjuntos de missões semelhantes” como “inteligência, vigilância, reconhecimento e capacidade de ataque, especialmente no domínio antissubmarino”.

Em dezembro do último ano, a Marinha dos Estados Unidos chamou o Orca UUV, construído pela Boeing, de “um submarino autônomo e de ponta, não tripulado, movido a diesel-elétrico, com uma seção de carga modular para executar uma variedade de missões”. Isso significa que a construção poderia, em teoria, carregar diferentes variedades de armas, ou ser equipado com materiais especializados para reconhecimento.

No comunicado da Marinha, foi informado que o Pentágono planeja adquirir mais cinco Orcas, embora não tenha sido divulgado um cronograma. Segundo o mesmo anúncio, contudo, esses UUVs estão em desenvolvimento há mais de uma década — um contraste com o Tubarão Fantasma desenvolvido na Austrália. Este último deve estar disponível para exportação após se juntar à frota naval australiana.

O Orca não é o único UUV em desenvolvimento nos EUA. O mais recente investimento, de acordo com a CNN, é o Manta Ray da Northrop Grumman, cujo protótipo foi testado na Califórnia em fevereiro e março. Segundo a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA, em inglês), a força desta construção está em sua modularidade, ou seja, na capacidade de trocar as cargas úteis dependendo da missão. Ela pode ser desmontada e encaixada em cinco containers de transporte padrão.

“A combinação de transporte modular transcontinental, montagem em campo e subsequente implantação demonstra uma capacidade única para um UUV extra grande”, disse Kyle Woerner, que lidera o programa Manta Ray na DARPA, num comunicado. Ela pontuou, ainda, que o método de transporte modular significa que a construção pode economizar energia interna para sua missão, em vez de usá-la para chegar ao local de implantação.

‘Ameaça passageira’
A China, classificada por militares americanos como sua “ameaça passageira” no Pacífico, também está avançando no desenvolvimento de UUVs. Segundo Salisbury, embora os detalhes sejam escassos, como ocorre com a maioria das capacidades militares chinesas, o país tem desenvolvido esses equipamentos há pelo menos 15 anos. É provável, afirmou, que eles tenham “algo semelhante ao Orca na fase de testes”.

O especialista em submarinos H. I. Sutton diz que Pequim tem pelo menos seis UUVs extra grandes em desenvolvimento. De acordo com ele, além da Austrália, dos Estados Unidos e da China, entre os países que também trabalham na construção desses equipamentos estão o Canadá, França, Índia, Irã, Israel, Coreia do Norte, Noruega, Rússia, Coreia do Sul, Ucrânia e Reino Unido, de acordo com Sutton.

Veja também

Governo de Pernambuco antecipa pagamento do salário de maio; saiba a data
ECONOMIA

Governo de Pernambuco antecipa pagamento do salário de maio; saiba a data

Alexa, da Amazon, pode subir preço em versão mais inteligente para competir com ChatGPT
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Alexa, da Amazon, pode subir preço em versão mais inteligente para competir com ChatGPT

Newsletter