UE solicita ao Brasil explicações sobre a nova fase da Carne Fraca

Porta-voz de saúde da Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia, afirmou que poderá adotar medidas adicionais aos controles implementados no ano passado

Operação Carne FracaOperação Carne Fraca - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

A União Europeia (UE) disse que vai pedir ao governo brasileiro informações sobre a nova fase da Operação Carne Fraca, da qual a BRF foi alvo. À agência Bloomberg uma porta-voz de saúde da Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia, afirmou que poderá adotar medidas adicionais aos controles implementados no ano passado à carne brasileira após a primeira fase da operação, deflagrada em março.

No ano passado, até novembro, o Brasil foi responsável por 50% de toda a carne de frango importada pela UE. Foram 376 mil toneladas compradas pelos europeus, queda de 20% em relação ao mesmo período de 2016.

Leia também:
Alvo de nova fase da Carne Fraca, Grupo BRF é investigado por omitir presença de salmonela em carnes
PF cumpre mandados de prisão em nova fase da Operação Carne Fraca


A empresa, maior processadora de alimentos do Brasil, foi alvo da 3ª fase da Operação Carne Fraca, ​ denominada Trapaça. As investigações demonstraram que setores de análises do grupo e cinco laboratórios credenciados no Ministério da Agricultura fraudavam resultados de exames em amostras do processo industrial, informando dados fictícios ao Serviço de Inspeção Federal.

Em nota, a BRF diz que a companhia "segue as normas e regulamentos brasileiros e internacionais referentes à produção e comercialização de seus produtos, e há mais de 80 anos a BRF demonstra seus compromissos com a qualidade e segurança alimentar, os quais estão presentes em todas as suas operações no Brasil e no mundo".

Veja também

Receita Federal estima que metade dos fundos imobiliários sonegam impostos
receita federal

Receita Federal estima que metade dos fundos imobiliários sonegam impostos

INSS prorroga antecipação de R$ 1.045 do auxílio-doença e do BPC
inss

INSS prorroga antecipação de R$ 1.045 do auxílio-doença e do BPC