União comprou R$ 1,907 bi em insumos de combate ao coronavírus

Quase a totalidade foi adquirida com dispensa de licitação

Máscaras N-95 chegam ao BrasilMáscaras N-95 chegam ao Brasil - Foto: Divulgação / Estado de São Paulo

As compras pela União de insumos de saúde ligados ao enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (Covid-19) totalizaram R$ 1,907 bilhão em quase cinco meses, revelou levantamento divulgado nesta segunda (1º) pelo Ministério da Economia. Desde 7 de fevereiro, quando foi publicada a Lei 13.979, que trata das medidas emergenciais de saúde pública, o governo federal promoveu 3.865 processos para a aquisição de 11,5 mil equipamentos e de 847 serviços.

Quase a totalidade das compras especiais ocorreu com dispensa de licitação, mecanismo previsto na lei emergencial. A aquisição por meio dessa modalidade somou R$ 1,806 bilhão. O governo comprou R$ 78,27 milhões por meio de pregões eletrônicos e R$ 23,49 milhões por meio da inexigibilidade de licitações, quando a contratação direta é autorizada por falta de competidores.

Os insumos de saúde mais adquiridos foram álcool etílico, luvas e máscaras. Os órgãos que mais compraram insumos no período da pandemia foram a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com mais de R$ 667,5 milhões; seguido do Ministério da Saúde, com R$ 243,5 milhões.

Leia também:
Brasil entra em rede global de produção de vacinas contra Covid-19
Brasil recebe dois milhões de doses de hidroxicloroquina dos EUA


Novo painel
A evolução das contratações especiais relacionadas à Covid-19 podem ser acompanhadas pelo Painel de Compras, elaborado pelo Ministério da Economia. Os dados são atualizados diariamente.

Nesta segunda-feira (1º), a pasta lançou uma nova versão do painel, que unificou o acompanhamento de todas as modalidades de aquisição – dispensa de licitação, pregão e inexigibilidade – realizadas no Sistema de Compras do Governo Federal (Comprasnet). Até agora, o volume de compras em cada categoria era divulgado em painéis separados.

Com tabelas e gráficos interativos, o painel permite o cruzamento de dados e a análise detalhada de itens como valores gastos num intervalo de tempo, quantidade de fornecedores e detalhamento de cada aquisição ou serviço prestado. É possível analisar, também, quais fornecedores realizaram mais vendas e filtrar lista de empresa ativas por item de compra ou unidade federativa.

Segundo a Secretaria de Gestão do Ministério da Economia, o painel tem como objetivo facilitar a fiscalização por parte da população das compras para o enfrentamento da pandemia. Caso o cidadão constate alguma irregularidade e tenha interesse em fazer uma denúncia, basta entrar na Ouvidoria da Controladoria-Geral da União (CGU) por meio do portal Fala.br.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil
Economia

China contribuiu com mais da metade do superávit comercial do Brasil

Governo aumentou imposto sobre cilindro de oxigênio três semanas antes de colapso no AM
Tributos

Governo aumentou imposto sobre cilindro de oxigênio três semanas antes de colapso no AM