economia

União Europeia quer que Mercosul assine compromisso com metas ambientais

Declaração seria garantia extra de que acordo entre os blocos não estimularia desmatamento nem traria danos socioambientais

MercosulMercosul - Foto: Divulgação

O novo encarregado de comércio da União Europeia, Valdis Dombrovskis, negocia com o Mercosul -especialmente com o Brasil- um compromisso formal com questões ambientais, para reduzir a oposição ao acordo comercial entre os blocos.

A solução, citada pelo vice-presidente da Comissão Europeia em sua sabatina no Parlamento Europeu, já foi usada para aplacar restrições ao Ceta (acordo entre a UE e o Canadá), em 2017.

Na ocasião, foi assinado um "instrumento comum interpretativo" que reafirmava compromissos com pontos que dificultavam politicamente a ratificação, como proteção de investimentos ou soluções de controvérsias.

Questões ambientais, que são um dos principais entraves para a ratificação ambiental do acordo como o Mercosul, também faziam parte do instrumento assinado com o Canadá.

Os dois lados reafirmavam, por exemplo, a disposição "em não reduzir os níveis de proteção ambiental a fim de incentivar o comércio ou o investimento", e garantiam que, em caso de violação do compromisso, os governos poderiam "sanar essas violações independentemente das eventuais consequências negativas para um investimento ou das expectativas de lucro do investidor".

O texto também garantia que o acordo que seria ratificado continha compromissos de cooperar em questões que envolvessem as alterações climáticas, "em que a implementação do Acordo de Paris constituirá uma importante responsabilidade partilhada".

Mais garantias políticas em relação à preservação da floresta amazônica, à fiscalização das cadeias de suprimento para garantir que os produtos não provocaram desmatamento ou à proteção de povos indígenas podem estar presentes no documento semelhante, que ainda não foi redigido.

"Então, atualmente estamos nos envolvendo com as autoridades do Mercosul, eu diria, especialmente com o Brasil. Bem, informalmente, atualmente, para ver que tipo de compromissos significativos os países do Mercosul podem assumir para garantir uma ratificação bem-sucedida desse acordo", afirmou Dombrovskis nesta segunda (19), em entrevista ao site jornalístico Politico.

Segundo ele, o compromisso deve incluir temas como "desmatamento da Amazônia e adesão dos países do Mercosul ao Acordo de Paris".

A iniciativa é necessária porque, mesmo que o acordo comercial entre os blocos já preveja expressamente, por exemplo, o respeito ao Acordo de Paris, essa tem sido uma ressalva levantada por vários atores europeus que dizem não aceitar a ratificação do tratado com o Mercosul.

Há duas semanas, por exemplo, eurodeputados propuseram uma emenda em que diziam que o Parlamento Europeu estava "extremamente preocupado com a política ambiental de Jair Bolsonaro, que vai contra os compromissos do Acordo de Paris, em particular no combate ao aquecimento global e à proteção à biodiversidade".

"Nessas circunstâncias, o acordo UE-Mercosul não pode ser ratificado como está", dizia o trecho final da alteração proposta, que acabou aprovado pela maioria dos parlamentares (a citação inicial ao presidente foi rejeitada).

Negociadores dos dois lados da mesa afirmam que, mesmo com o reforço no compromisso político, a tramitação do acordo deve ficar mesmo para o ano que vem.

O texto ainda está sob revisão legal, e a Comissão Europeia já deu sinais de que não tem pressa para encerrá-la, pois precisa usar seu capital político em outras pendências, como o plano de recuperação da crise do coronavírus e o orçamento dos próximos sete anos.

Após a revisão legal, o tratado terá que ser traduzido nas 23 línguas oficiais dos dois blocos e só então seguir para a aprovação dos governos e parlamentares.

Antes disso, haverá ainda a decisão sobre se ele será ou não fatiado. Como está no momento, ele é um acordo de associação, um documento amplo que inclui um capítulo comercial e um capítulo político, como era praxe quando ele começou a ser negociado, em 1999.

O problema é que itens como direitos humanos, direitos sociais e imigração, que fazem parte do capítulo político, são de responsabilidade compartilhada entre a UE e seus Estados-membros.

Isso faz com que o acordo precise ser aprovado nos Legislativos nacionais e regionais dos 27 países. Se um deles rejeitar, todo o tratado é derrubado.

No fatiamento, o capítulo comercial, que é responsabilidade exclusiva da União Europeia, não precisaria mais passar pelos Parlamentos nacionais e regionais. Seria submetido ao Parlamento Europeu e ao Conselho da União Europeia.

Também por não ser de responsabilidade compartilhada, o acordo comercial não dependeria mais de unanimidade dos votos no Conselho (onde estão representantes dos 27 países). Bastaria o sim de 55% dos países (atualmente, no mínimo 15), desde que representem 65% da população do bloco.

O fatiamento foi usado recentemente nas parcerias com Vietnã e Singapura e, desde 2018, a União Europeia já vem optando por fazer propostas separadas na origem, como no caso do Japão, para evitar a insegurança jurídica provocada pelo risco de tudo ser derrubado pelo Legislativo de um único país.

O acordo "dá [uma] abertura de mercado substancial para a UE, e a UE também terá uma vantagem substancial de pioneiro porque este é o primeiro acordo do tipo que o Mercosul está tendo com um parceiro global", disse Dombrovskis ao Politico.

Relatório final de impacto feito pela LSE (London School of Economics) mostrou que o acordo com o Mercosul traz vantagens significativas para a União Europeia.

Estimando resultados esperados em vários indicadores, sem o acordo e com ele, num cenário conservador e num otimista, eles projetaram um ganho no PIB, com o acordo, de 10,9 bilhões de euros (R$ 68,4 bi) para a UE em 2032 na versão conservadora, e de 15 bilhões (R$ 94 bi) na otimista, ou 0,1% do PIB do bloco.

O Mercosul teria uma elevação de 7,4 bilhões de euros (R$ 46,4 bi) no cenário conservador e 11,5 bilhões de euros (R$ 72 bi) no otimista.

Apesar do esforço da Comissão, países como Áustria, França e Holanda continuam afirmando que o acordo com o Mercosul não pode ser assinado "como está".

A frase foi repetida na semana passada pelo ministro do Comércio da França, Jean-Baptiste Lemoyne, em audiência na comissão do tema no Parlamento Europeu, na qual ele chamou o acordo com o Mercosul de "rascunho": "O tratao de livre-comércio traz ganhos, mas esses ganhos não podem ser obtidos a qualquer preço, e certamente não ao preço do desmatamento".

A ministra do Comércio da Holanda, Sigrid Kaag, que com Lemoyne apresentou propostas de regras ambientais mais duras na revisão da política comercial da Europa, disse que "o objetivo não é reabrir negociações", mas é indispensável reforçar as disposições dos parceiros comerciais com as metas ambientais, como as do Acordo de Paris.

Segundo ela, o governo holandês só vai se pronunciar sobre o acordo depois que tiver o documento final nas mãos e puder avaliá-lo e debatê-lo. "Mas nos preocupamos com informações sobre desmatamento e questões de direitos humanos que organizações têm levantado", afirmou ela.

 

Veja também

Beneficiário do Bolsa Família pode contestar auxílio até 30 de novembro
bolsa família

Beneficiário do Bolsa Família pode contestar auxílio até 30 de novembro

Ações do Carrefour caem mais de 5% após assassinato de homem negro
Beto Freitas

Ações do Carrefour caem mais de 5%