União quer cobrar R$ 13 bilhões de dez estados, inclusive Pernambuco

O grupo não atendeu, dentro do prazo, a todas as exigências previstas na negociação com o governo federal

Henrique Meirelles, ministro da FazendaHenrique Meirelles, ministro da Fazenda - Foto: Reprodução/ Facebook

Dez estados que aderiram ao programa de renegociação de dívidas com a União correm o risco de serem cobrados a devolver R$ 13 bilhões ao caixa federal. O caminho para evitar o pagamento tem sido recorrer à Justiça -o que leva a discussão da crise fiscal a uma nova rodada de judicialização.

A lista de estados com pendências consta de documentos públicos no site do Tesouro Nacional. Inclui Acre, Alagoas, Amapá, Goiás, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Rondônia. A Paraíba aparece como "em análise".

O grupo não atendeu, dentro do prazo, a todas as exigências previstas na negociação com o governo federal -alguns não apresentaram parte da documentação garantindo comprometimento com os termos do ajuste fiscal, outros se recusaram a retirar ações contra a União, um dos pré-requisitos para ter direito à renegociação.

Leia também:
Câmara aprova MP que facilita renegociação de dívida dos estados
Dívida pública tem redução de 0,87% e atinge R$ 3,528 trilhões


O prazo final para cumprir as exigências era dezembro. Diante das pendências, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, autorizou que o prazo fosse estendido por 60 dias, até 19 de fevereiro. Findo o período, o Tesouro passou a tomar as medidas que considera cabíveis.

Estados, como Rio Grande do Sul, Goiás e Alagoas, não aceitaram abrir mão de ações contra a União e conseguiram liminares no Supremo Tribunal Federal (STF) para manter antigas discussões judiciais e ainda aderir ao acordo.

"Nossa ação vem desde 2012, a procuradoria estadual entende que vamos vencer. Se eu desistir, posso ser acusado de prevaricação", diz o secretário de Fazenda de Alagoas, George Santoro.

Minas Gerais abriu mão da ação, mas, na avaliação do Tesouro, não entregou toda a documentação. Na sexta-feira (23), sofreu o arresto de cerca de R$ 6 bilhões. O estado obteve liminar na terça (27) para evitar bloqueios. Em entrevista, o secretário de Governo, Odair Cunha, disse que o estado foi vítima de "confisco" por meio de "arbitrária e sórdida ação do Ministério da Fazenda".

A secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, argumentou que é obrigação da União cumprir os contratos. O cenário de divergências, em meio a disputas judiciais, ficou mais complexo. Nesta quarta-feira (28) o Senado aprovou a medida provisória que desobriga estados e municípios a cumprirem várias das exigências da renegociação de dívidas com a União.

Veja também

Pix começa a funcionar no dia 3 de novembro para clientes selecionados
Bancos

Pix começa a funcionar no dia 3 de novembro para clientes selecionados

Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz
Economia

Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz