Economia

Uso da Força Maior requer atenção

Entenda o que é o motivo e qual a sua aplicabilidade nos contratos de trabalho e empresarial

Carteira de trabalhoCarteira de trabalho - Foto: Divulgação

O avanço do Covid-19 no Brasil e a necessidade de suspender temporariamente o funcionamento de estabelecimentos comerciais não-essenciais, como bares, lojas de roupas e calçados, por exemplo, trouxe à tona um instituto jurídico pouco utilizado, mas que sua aplicabilidade vem ganhando a cada dia peso no meio empresarial.

O motivo de Força Maior, previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e reforçada pelo governo Federal em sua recente MP 927, colocam a atual pandemia como argumento para aplicação do motivo legal na extinção dos contratos de trabalho.

Segundo a especialista em Direito do Trabalho do Hélio Mariano Advogados, Bruna Ferreira, a recente MP 927/2020 destacou como motivo de força maior as medidas aplicáveis por aquele texto legal enquanto perdurar o período de calamidade, muito embora não se deve excluir outras medidas não previstas, as quais devem ser analisadas caso a caso, considerando as determinações da CLT.

Leia também:
Bolsonaro revoga MP que suspende contratos de trabalho por até quatro meses
Senado votará na segunda auxílio de R$ 600 para trabalhadores

“Nesse momento, grandes discussões pairam na aplicação da Força Maior como base de extinção do Contrato de trabalho, utilizando por analogia o art. 502, da CLT, analisando o nexo causal e a evidente perda de capital e patrimônio da empresa. Em se entendendo como força maior, o referido artigo prevê a redução pela metade do que for devido à título de indenização pelo encerramento do contrato de trabalho, indenização esta correspondente a multa do FGTS”, comenta a advogada.

Ela reforça, ainda, que no caso de encerramento por força maior, ainda que reduzida a indenização, será de responsabilidade do empregador arcar com elas, não dos entes federativos, como Estado, Município ou União - conhecido como Fato Príncipe. “A possibilidade da multa de 40% cair para o governo que determinou a paralisação das atividades, amparado no motivo de Força Maior, torna-se frágil e gera mais insegurança jurídica do que se a empresa acionar o motivo de Força Maior”, explica a advogada.

Contudo, ainda de acordo com ela, embora haja entendimento diverso sobre a aplicabilidade do motivo que venha reduzir as obrigações patronais em 50% sobre o valor da multa do FGTS, ao acionar esse dispositivo legal, o patrão poderá impossibilitar o trabalhador de receber o seguro-desemprego.

“A demissão por Força Maior poderá desobrigar o governo ao pagamento do seguro. Ou seja, falta uma medida concreta por parte do governo Federal para que ampare o trabalhador nesse momento de calamidade e ainda oferte à empresa a segurança jurídica necessária para que ao passar esse período não haja uma chuva de demanda no judiciário sobre a questão”, ressalta Ferreira.

Contratos

A Força Maior não se aplica apenas à área trabalhista. Segundo o sócio-diretor do Hélio Mariano Advogados, Rafael Mariano, o entendimento também se aplica aos contratos empresariais.

“Geralmente um contrato prevê penalidades caso ele seja encerrado antes do prazo estabelecido. Contudo, a depender do caso, por motivo de Força Maior, é possível que essas penalidades sejam afastadas pelo motivo em questão. Neste sentido, caso haja prejuízo comprovado, a empresa pode se valer de deixar de pagar perdas e danos ou multa por rescisão de contratos empresariais sem ter que arcar com penalidades por isso”, explica o especialista, que ressalta:

"Deve haver um obstáculo legítimo e comprovado para justificar o descumprimento contratual, evitando-se assim, alegações genéricas e oportunistas”, completa Mariano.

Veja também

ANP aprova prorrogação contratual de produção de campos petrolíferos
Petróleo

ANP aprova prorrogação contratual de produção de campos petrolíferos

Fila para perícia no INSS já passa de 1,09 milhão; médicos voltam ao trabalho na segunda (23)
Perícia médica

Fila para perícia no INSS já passa de 1,09 milhão; médicos voltam ao trabalho na segunda (23)