Usuários enfrentam mais dificuldades

O movimento consistirá, segundo Mário Lins, no adiamento de consultas e cirurgias eletivas.

 

Usuários do plano de saúde Sul América estão enfrentando dificuldades na hora de realizar uma consulta com otorrinos e ortopedistas credenciados. Uma das queixas é que os médicos só estão aceitando atender através de reembolso. Ou seja, o paciente paga a consulta como se fosse particular e solicita o reembolso pela operadora. No entanto, isso tem uma explicação.

O diretor do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) e presidente da comissão estadual de honorários médicos, Mário Fernando Lins, explica que a categoria está negociando com a operadora reajuste nos honorários e, em caso de negativa, um movimento de paralisação será feito.

O movimento consistirá, segundo Mário Lins, no adiamento de consultas e cirurgias eletivas. Mas garante: a categoria não tem intenção de prejudicar os pacientes, por isso vai manter o atendimento de emergência, urgência e oncológico. Na opinião da presidente da Associação de Defesa dos Usuários de Seguros, Planos e Sistemas de Saúde (Aduseps), Renê Patriota, a condição posta aos consumidores é inadequada e o movimento da categoria não deveria atrapalhar a vida dos beneficiários.

“Acho justa a reivindicação da classe, mas o contrato tem que ser cumprido. O usuário não pode ser prejudicado”, pontuou e citou, ainda, que a medida mais correta deveria ser a suspensão do credenciamento dos médicos com a operadora.

A empresa Sul América foi procurada pela reportagem, mas não respondeu até o fechamento deste edição. Mário Fernando Lins acredita que “a operadora está aberta a negociar”. Segundo ele, representantes da Sul América estão se reunindo com a categoria para chegar a um consenso em relação ao ajuste. “No caso dos ortopedistas, o ajuste sugerido por eles não foi aceito pelo sindicato. Estamos esperando que, na próxima segunda-feira, voltemos a analisar a contraproposta”, explicou. No caso dos otorrinos, a negociação foi ontem. “Até agora não tivemos resposta, mas se não houver consenso continuaremos negociando”, informou.

 

Veja também

Não dá para ficar muito tempo mais com auxílio, diz Bolsonaro
Auxílio Emergencial

Não dá para ficar muito tempo mais com auxílio, diz Bolsonaro

INSS define como comprovar vida de beneficiário que mora no exterior
Benefício

INSS define como comprovar vida de beneficiário que mora no exterior