Lucro

Vale registra lucro de US$ 7,983 bi em 2023, queda de 52%, enquanto comando segue indefinido

Mineradora anunciou resultados bilionários em meio a processo de sucessão que decidirá se mandato do atual CEO, Eduardo Bartolomeo, será renovado ou se uma seleção que poderá substituí-lo será iniciada

Minério de ferro é o principal produto da Vale Minério de ferro é o principal produto da Vale  - Foto: Divulgação/Vale

A Vale registrou lucro líquido de US$ 7,983 bilhões ano passado, uma alta de 52% ante os US$ 16,728 bilhões de 2022, informou a mineradora nesta quinta-feira, em meio à incerteza sobre quem ficará no seu comando.

Diante do lucro, a Vale anunciou também que pagará R$ 11,7 bilhões em dividendos, como é chamada a parcela do lucro de uma companhia aberta que é distribuída aos acionistas. Conforme a política de dividendos da mineradora, esse valor se soma a um parcial pago em setembro.

A reunião do Conselho de Administração da companhia que aprovou o balanço financeiro do quarto trimestre e de 2023 como um todo ocorreu uma semana após um encontro extraordinário para tratar a sucessão do atual CEO, Eduardo Bartolomeo, terminar sem uma definição. A sucessão não voltou a ser deliberada nesta quinta-feira, segundo ata divulgada pela companhia.

O mandato de Bartolomeo termina em maio e os membros do Conselho da mineradora estão divididos entre renovar automaticamente o contrato do executivo ou iniciar um processo seletivo – no processo, o atual CEO poderia participar, mas concorreria com outros executivos.

Na reunião extraordinária, uma votação entre essas duas opções terminou empatada na última quinta-feira, dia 15. Segundo uma fonte ouvida pelo Globo na semana passada, sob a condição do anonimato, os conselheiros tentariam manter conversas para chegar a algum consenso sobre o futuro de Bartolomeo antes de voltar a deliberar sobre o tema em nova votação.

Disputas acirradas entre acionistas
A sucessão da Vale vem inflamando as disputas entre os acionistas da mineradora desde o fim do ano passado. As disputas se acirraram desde que, em 2020, a mineradora se tornou uma companhia sem controle definido, com o capital pulverizado, a maior nesse modelo no Brasil.

Mais recentemente, a entrada da Cosan, gigante do açúcar e etanol, no rol de acionistas, desde outubro de 2022, e a volta do PT ao governo federal agitaram ainda mais o cenário.

Em janeiro, prazo final para um processo sucessório ser dado por iniciado, conforme as regras internas da Vale, o governo federal elevou a pressão sobre a companhia.

Desde 2023, as informações de bastidores davam conta de que o Palácio do Planalto queria fazer do ex-ministro Guido Mantega presidente da empresa – embora, após a reestruturação de 2020 e a venda total da participação acionária do BNDES, a influência direta do governo na gestão da empresa tenha diminuído.

Críticas aos resultados operacionais
Embora a falta de habilidade política no trato com governos – tanto o federal quanto estaduais – seja frequentemente citada como ponto fraco da gestão de Bartolomeo por observadores da gestão da Vale, também há críticas aos resultados operacionais.

Em que pese o reconhecimento de que a gestão do atual CEO conseguiu melhorar a segurança operacional, após a tragédia que matou 270 pessoas em Brumadinho (MG), cinco anos atrás, a mineradora ficou aquém de metas de produção reiteradamente nos últimos anos. Os custos também subiram.

Nos últimos meses, analistas de mercado deram votos de confiança à diretoria da Vale, após a divulgação de metas de crescimento para 2026. Mesmo assim, parte dos acionistas critica os resultados apresentados por Bartolomeo.

Em 2018, a Vale bateu recorde de produção com 385 milhões de toneladas de minério de ferro. Em 2019, após Brumadinho, a produção tombou para 302 milhões. A empresa perdeu a liderança para a Rio Tinto, da Austrália. Em 2022, foram 308 milhões de toneladas.

Em 2023, o total ficou em 321 milhões de toneladas, 4,3% acima do registrado em 2022. No início de dezembro, a mineradora anunciou a meta entre 340 milhões e 360 milhões de toneladas de minério de ferro para 2026.

Parceria com a Anglo American
Os resultados foram divulgados horas após a Vale anunciar, ainda pela manhã de quinta-feira, que firmou um acordo com a mineradora Anglo American para adquirir uma participação no Complexo Minas-Rio.

O empreendimento, idealizado pelo empresário Eike Batista, inclui uma mina de minério de ferro, em Minas, um minerioduto de pouco mais de 500 quilômetros até o litoral e um terminal portuário no Porto do Açu, na costa norte do Rio, por onde a produção é exportada.

Investimentos: Mineradoras brasileiras devem investir US$ 50 bilhões até 2027 com foco em aço e baterias elétricas

Pelo acordo, a Vale terá 15% do Minas-Rio. Em troca, pagará US$ 157,5 milhões e incluirá no projeto as reservas de uma mina sua, chamada Serpentina, que é vizinha à unidade produtora da Anglo.

Atualmente, a capacidade do Minas-Rio é de 26,5 milhões de toneladas de minério por ano. Na configuração atual, é possível elevar a produção para 31 milhões de toneladas por ano, mas a inclusão das reservas da mina da Vale eleva o potencial.

"O depósito da Serra da Serpentina é contínuo ao complexo Minas-Rio e possui recursos estimados em 4,3 bilhões de toneladas. A combinação dos dois recursos oferece consideráveis oportunidades de expansão, incluindo o potencial para duplicar a produção, que Anglo American e Vale avaliarão", diz o comunicado divulgado pela Vale.

Segundo as empresas, com a parceria, serão estudadas possibilidades de expansão na logística para permitir o crescimento da produção. Uma ferrovia operada pela Vale poderá ser usada, escoando as exportações pelo Porto de Tubarão, no Espírito Santo. Até a construção de um minerioduto mais curto está entre as possibilidades.

Veja também

Imposto de compras até US$ 50 afeta baixa renda e é insuficiente para puxar setor, dizem analistas
COMPRAS ONLINE

Imposto de compras até US$ 50 afeta baixa renda e é insuficiente para puxar setor, dizem analistas

Pernambuco acumula criação de 4,6 mil novos postos de trabalho em 2024
Empregos

Pernambuco acumula criação de 4,6 mil novos postos de trabalho em 2024

Newsletter