Valor do Bolsa Família deve ser referência para prorrogação de auxílio emergencial, diz secretário d

Segundo ele, o valor que deverá servir de referência é o benefício médio do programa Bolsa Família -aproximadamente R$ 200

Bolsa FamíliaBolsa Família - Foto: Ana Nascimento/CCE

O secretário especial da Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, confirmou nesta quinta-feira (21) que o governo avalia um valor menor caso o auxílio emergencial a trabalhadores informais, microempreendedores individuais e desempregados seja prorrogado.

Segundo ele, o valor que deverá servir de referência é o benefício médio do programa Bolsa Família -aproximadamente R$ 200.

Nesta quarta (20), a Folha de S.Paulo informou que o ministro Paulo Guedes (Economia) admite prorrogar o auxílio emergencial por mais um ou dois meses, mas com valor de R$ 200 por pessoa.

Leia também:
Congresso aprova crédito extra de R$ 343,6 bilhões para governo pagar despesas
Guedes admite prorrogar auxílio emergencial por um ou dois meses, mas com valor de R$ 200


O Orçamento prevê atualmente que a ajuda emergencial irá durar três meses e com um valor de R$ 600 por beneficiário. No entanto, o Congresso já discute prorrogar essa medida, criada para tentar suavizar a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus.

Waldery disse que, inicialmente, se esperava gastar cerca de R$ 98 bilhões com o programa de socorro a trabalhadores informais, mas, com a alta demanda, esse valor já ultrapassa a marca de R$ 150 bilhões.

Para o secretário, isso representa um custo elevado quando comparado com o orçamento anual do Bolsa Família, de aproximadamente R$ 32 bilhões.

Ele defende, então, que eventual prorrogação do programa de auxílio emergencial tenha que desenhada "com um olhar mais cauteloso em relação à questão fiscal".

"Chegaremos a uma solução intermediária. Não no mesmo perfil de hoje. E uma possibilidade de referencial é exatamente o valor trazido pelo Bolsa Família", declarou o auxiliar de Guedes.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo
Consumo

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo

Burocracia freia os negócios
Burocracia

Burocracia freia os negócios