Consumidor

Mesmo produto registra variação de 427% e Procon dá dicas para economizar na feira

Levantamento realizado pelo Procon Recife analisou 59 itens em 11 redes de supermercados da capital pernambucana

Sabonete, papel higiêncio e coentro tiveram as maiores altas no levantamento do Procon RecifeSabonete, papel higiêncio e coentro tiveram as maiores altas no levantamento do Procon Recife - Foto: Agência Brasil

O preço de alguns produtos, como carne e arroz, disparou nos últimos meses, devido ao aumento da procura e diminuição da oferta. Porém, é possível economizar pesquisando onde o produto está mais barato. Em levantamento realizado pelo Procon Recife, por exemplo, a variação de um mesmo produto foi de até 427% de um estabelecimento para outro, o que pode ter impacto significativo no valor final da feira. 

A pesquisa do órgão de defesa municipal foi feita em 11 redes de supermercados do Recife e analisou 59 itens considerados de primeira necessidade, como alimentos, produtos de higiene pessoal e do lar. A maior alta registrada foi em uma marca de sabonete que custava R$ 2,79 (menor preço encontrado) em um estabelecimento, enquanto em outro estava sendo vendido a R$ 14,69. “O consumidor deve entender que não existe tabelamento de preço. Inclusive, pode acontecer de haver diferença no valor entre dois supermercados de uma mesma rede. Por isso é importante fazer uma pesquisa para amenizar a conta”, explica a presidente do Procon Recife, Ana Paula Jardim.

Dos 59 produtos pesquisados, 19 apresentaram uma variação acima de 100% no valor cobrado. Essa diferença depende tanto da rede de supermercado quanto do local em que o produto está sendo comercializado. Dentre os alimentos com maior variação, destacam-se a unidade do abacaxi, que registrou diferença de 195% (R$ 1,69 a R$4,99) e do coentro, que teve diferença de 202% no seu valor (R$ 0,99 a R$ 2,99). Nos itens de higiene, o papel higiênico perfumado tradicional registrou uma diferença de 251%, variando de R$ 1,79 a R$ 6,29. 

Ao se deparar com um valor muito acima do que o cobrado de um produto essencial, o consumidor pode entrar em contato com o Procon para que haja o questionamento e verificação se o preço é abusivo. Caso haja, o estabelecimento pode ser multado e até ter seu funcionamento suspenso. Para ter noção sobre o preço do produto, é essencial observar os valores em outros estabelecimentos para saber quanto que o item está custando. Isso também ajudará a diminuir o valor da feira.

Além de pesquisar os preços em diferentes lugares, algumas atitudes podem ajudar a economizar na hora de fazer a feira. Muitos estabelecimentos separam um dia da semana para fazer promoção de determinado produto, como o “dia da fruta”. Se conseguir comprar nesses dias, é possível ter um bom desconto. Se houver divergência entre o valor anunciado e o valor do caixa, o Procon esclarece que o consumidor tem o direito de pagar sempre o menor preço.

Também é importante fazer uma lista dos produtos que são necessários comprar e evitar fazer a feira com fome ou acompanhado de crianças. Uma outra dica é conferir se existe desconto no pagamento à vista ou no débito. E, caso o consumidor tenha comprado o produto e ele esteja estragado, mesmo dentro do prazo de validade, é obrigação do estabelecimento fazer a troca do mesmo. Porém o cliente deve apresentar o comprovante de compra. 

Caso o consumidor tenha comprado um produto em promoção e não recebeu o desconto, ele poderá receber o valor dobrado. Para conseguir ajuda nesse processo ou denunciar preços que considerar abusivos, o cliente pode entrar em contato com o Procon Recife através do telefone 0800.2811.311 ou pelo e-mail [email protected]

 

Veja também

Tesouro terá recursos para cobrir vencimentos da dívida até abril
economia

Tesouro terá recursos para cobrir vencimentos da dívida até abril

Senado aprova nova lei de falências e recuperação judicial
economia

Senado aprova nova lei de falências e recuperação judicial