Verba vai reduzir o déficit primário

“Acho que não tem nada a ver uma coisa com a outra. O contribuinte declarou e não recolheu”

Deputado Isaltino Nascimento (PSB)Deputado Isaltino Nascimento (PSB) - Foto: Arthur de Souza/ Folha de Pernambuco

 

Os recursos da repatriação ajudarão o Governo a entregar um déficit primário (receitas menos despesas antes do pagamento de juros) menor do que a meta fiscal estipulada para este ano, que é de R$ 170,5 bilhões. Assessores da equipe econômica disseram à reportagem que o rombo neste ano pode ficar na casa dos R$ 160 bilhões. O tamanho exato do déficit dependerá do quanto de restos a pagar de anos anteriores o Governo vai conseguir liquidar até o fim de 2016.

A ideia é quitar um valor superior a R$ 15 bilhões dessas dívidas com fornecedores de despesas de custeio e investimento. As despesas de exercícios anteriores somam hoje R$ 63 bilhões. É para o pagamento dessas despesas que o governo Temer deve usar, prioritariamente, os recursos de imposto e multa da regularização de dinheiro ilegal no exterior.

O Governo avalia que pagar essas dívidas ajuda a melhorar a economia e dá mais transparência ao Orçamento, permitindo ter números fiscais mais realistas em 2017.

Na semana passada, a Receita informou que R$ 50,9 bilhões foram arrecadados com a repatriação. Por esses cálculos, a parcela da União efetiva iria somar R$ 32,5 bilhões depois de descontada a transferência para Estados e municípios e mais R$ 6 bilhões já incorporados a outras despesas do Orçamento.

Porém, a Receita afirmou que a arrecadação foi R$ 4,2 bilhões menor que a esperada, pois contribuintes que aderiram ao programa não pagaram efetivamente a multa e o imposto devidos. Questionado sobre a influência da discussão de um novo programa de repatriação na decisão dos participantes de não fazer o pagamento, o secretário da Receita, Jorge Rachid, negou. “Acho que não tem nada a ver uma coisa com a outra. O contribuinte declarou e não recolheu”, disse.

Com isso, o montante da repatriação destinado à União ficaria hoje em cerca de R$ 30 bilhões, já que a parcela destinada a governadores e prefeitos também cai. Se conseguir liquidar de fato R$ 15 bilhões de restos a pagar, sobrariam cerca de R$ 15 bilhões para ajudar a reduzir o déficit. Ou seja, o rombo poderia encerrar abaixo de R$ 160 bilhões.

Uma economia muito maior que isso é considerada impossível, já que entre outubro e dezembro estão previstas despesas com pessoal, Previdência e precatórios bastante superiores às de 2015.

 

Veja também

Ipea revisa para cima projeção do PIB do agronegócio
Economia

Ipea revisa para cima projeção do PIB do agronegócio

Ministério de Infraestrutura entregará planos de estratégia logística para até 2050
Economia

Ministério de Infraestrutura entregará planos de estratégia logística para até 2050