Vivo corre contra o tempo para fechar acordo na área de internet

Vivo buscou aval do TCU para que a Anatel pudesse assinar o acordo antes que ele seja apreciado pelo tribunal

Telefonia móvelTelefonia móvel - Fotos Públicas

Maior operadora do país, a Vivo quer ser a primeira a conseguir aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para trocar multas de R$ 3 bilhões por investimentos de R$ 5,8 bilhões. Até um gestor de crises entrou em campo para tentar convencer a agência e o Tribunal de Contas da União (TCU) a destravarem o acordo.

Como pelo menos 23% dessas multas (cerca de R$ 700 milhões) podem prescrever em abril, reduzindo o montante para cerca de R$ 2,3 bilhões, a Vivo buscou aval do TCU para que a Anatel pudesse assinar o acordo antes que ele seja apreciado pelo tribunal. Se a prescrição ocorrer, será necessário refazer o acordo e reduzir os valores.

Leia também:
Anatel fará reunião extraordinária para tratar do caso Oi depois do Carnaval
Rede de fibra ótica da Vivo chega a Petrolina


Nas últimas semanas, representantes da Vivo procuraram os conselheiros da Anatel. No entanto, a maioria –incluindo o presidente da Anatel, Juarez Quadros– se posicionou contrariamente à proposta de fecharam o acordo sem o aval do TCU. Há duas semanas, no entanto, o assunto foi discutido pelo conselheiro da Anatel Leonardo Euler e dois servidores da agência com o ministro Bruno Dantas, relator do processo no TCU.

Isso causou constrangimento na Anatel porque, segundo alguns conselheiros, ficou parecendo que a agência queria atender a um pedido da Vivo. Dantas já sabia da intenção da operadora. Dias depois, o próprio presidente da Vivo, Eduardo Navarro, reuniu-se com o ministro, que reforçou a posição contra o plano da tele.

As concorrentes também se alarmaram contra a atuação do consultor Mario Rosa, que, segundo elas, é próximo do ministro Bruno Dantas. Mario Rosa foi indiciado na Lava Jato por permitir que sua consultoria repassasse recursos do grupo francês Casino -dono do Pão de Açúcar- para a empresa da mulher de Fernando Pimentel, então ministro do Desenvolvimento e presidente do conselho do BNDES.

Segundo a Polícia Federal, o dinheiro teria sido pagamento para que Pimentel vetasse a fusão do Pão de Açúcar com o Carrefour. A transação vinha sendo articulada no BNDES. Rosa nega as acusações. Segundo ele, na ocasião, ele sequer tinha contrato com o Casino.

Contestações
Para as teles, a Vivo estaria tentando "resolver rápido" ao contratar o consultor. Se a Anatel decidisse antes do TCU –mas com aval do tribunal para isso– seria uma forma de aplacar as contestações das concorrentes sobre os termos do acordo. O presidente da agência, Juarez Quadros, chegou a dizer publicamente que essas contestações eram, na verdade, uma forma das teles resistirem à competição. Quadros e a maioria do conselho defende o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), como forma de pôr fim às discussões de multas para obrigar as teles a fazerem investimentos em áreas de baixa renda.

O TAC da Vivo não teria tido tanta resistência se, na lista de cidades não estivessem locais atendidos pela Claro. Para a empresa controlada pelo bilionário mexicano Carlos Slim, a Anatel não pode permitir que dinheiro público seja usado pela Vivo em locais que já estavam em seu plano de investimento. Outras teles tentam assinar acordos similares.

Outro lado
O presidente da Vivo, Eduardo Navarro, afirmou que a empresa pretende assinar um acordo com a Anatel de troca de multas por investimento "o mais amplo possível", mas que fechará mesmo com um valor menor. Navarro afirmou que o consultor Mario Rosa foi contratado pela equipe de comunicação da operadora. "O jornalista não tem mandato para fazer lobby", disse. "É um trabalho de assessoria de comunicação."

O consultor afirmou que trabalha para a Vivo e dá suporte à empresa com um plano de comunicação amplo, incluindo os termos de ajustamento de conduta (TACs). O trabalho, segundo Rosa, é reduzir o potencial de crise, principalmente de imagem, que o acordo está gerando para a companhia. O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), afirmou ser amigo do consultor Mario Rosa e negou terem tratado do acordo com a Vivo. O ministro confirmou ter discutido com os conselheiros da Anatel a possibilidade de a agência assinar o acordo com a Vivo antes de submetê-lo ao tribunal.

Dantas disse que negou a possibilidade de algo desse tipo ser feito por "razões óbvias". "Existe uma cláusula no acordo bastante clara dizendo que tem de passar pelo TCU primeiro." O conselheiro Leonardo Euler negou ter consultado Dantas sobre a possibilidade de um acordo na Anatel antes de o TCU analisá-lo. "Sou veementemente contra", disse.

Veja também

Lei prorroga incentivo fiscal para exportadores durante pandemia
Economia

Lei prorroga incentivo fiscal para exportadores durante pandemia

INSS oferece serviço expresso para entrega de documentação
INSS

INSS oferece serviço expresso para entrega de documentação