Walmart muda de nome no Brasil e prevê investir R$ 1,2 bi

A troca ocorre cerca de um ano após 80% de suas operações terem sido adquiridas pela empresa de investimentos Advent

WalmartWalmart - Foto: Divulgação

A rede de varejo Walmart Brasil​ decidiu mudar sua marca no país para Grupo Big. A troca ocorre cerca de um ano após 80% de suas operações terem sido adquiridas pela empresa de investimentos Advent.

Os atuais gestores da companhia tinham um prazo de até três anos para seguir usando a marca americana, contados da data da compra da empresa. Pesaram na decisão de antecipar a mudança, de um lado, a possibilidade de reduzir o pagamento de royalties e, de outro, o plano de mudar o perfil da rede já apresentando ela com uma nova marca.

Leia também:
Walmart vai continuar vendendo armas apesar de tiroteios em mercados
Ex-funcionário 'descontente' do Walmart mata a tiros dois colegas de trabalho
Walmart é multado nos EUA por pagar subornos no Brasil, México, Índia e China
Walmart estuda vender parte de empresa no Brasil


A companhia informa que tem como plano reforçar o investimento no canal atacarejo e em clubes de compras. Nessa direção, afirma que irá converter 10 hipermercados em lojas da rede de atacarejo Maxxi que hoje tem 43 unidades. Em comunicado, a empresa afirma que essa bandeira deve ser estratégica para a empresa e atender consumidores finais e comerciantes.

O Walmart prevê investimentos de R$ 1,2 bilhão no Brasil nos próximos 18 meses. O objetivo é a modernização e a ampliação de suas lojas. Elas terão maior foco nos formatos de atacarejo, explorados por rivais como GPA e Carrefour. As concorrentes planejam investimentos para 2019 de, ao menos, R$ 1,6 bilhão. Ricardo Rodrigues, diretor de gestão de cadeia de suprimentos da AGR Consultores, diz acreditar que o direcionamento de esforços do Walmart em relação ao atacarejo (que oferece preços menores do que as demais modalidades) é consequência de uma perda de espaço generalizada dos hipermercados.

"O atacarejo é visto por grande parte dos consumidores como modelo que traz melhores oportunidades de compra do que o hipermercado, que reinou soberano até a virada do milênio", afirma. Segundo Rodrigues, a virada do Grupo Big em relação ao atacarejo acontece tardiamente, com marcas como Assaí e Roldão já bem posicionadas no setor, mas ainda é possível atuar com competitividade nessa área.

Rodrigues diz considerar positiva a mudança da marca da empresa, levando em conta que, em sua visão, o nome Walmart tinha pouco apelo junto ao consumidor brasileiro. "Walmart era uma marca que tocava o 'top of mind' de poucos consumidores, talvez alguns que viajavam mais para fora viam alguma diferenciação", diz. O agora Grupo Big opera atualmente com cerca de 550 lojas e 50 mil funcionários em 18 estados, além do Distrito Federal. A companhia afirma ser o terceiro maior conglomerado de varejo alimentar do Brasil.

Em relação ao hipermercado, a companhia afirma ter, após pesquisas, optado por adotar suas marcas regionais, que possuiriam vínculo emocional com consumidores.
As lojas do modelo nas regiões Sul e Sudeste passarão a se chamar BIG, enquanto no Nordeste, todos os hipermercados serão Big Bompreço", afirmou a companhia em comunicado à imprensa.

"Até junho de 2020, a expectativa é concluir a reforma de 100 hipermercados", diz o comunicado. A empresa também afirma que irá reformular sua estratégia de preços e ampliar o sortimento de produtos em 30%. A bandeira Sam's Club terá, em um período de um ano, dez novas lojas. A primeira será inaugurada no início deste semestre e, até o final do ano, mais três unidades serão abertas, segundo a rede."

Desde janeiro, a companhia fechou 24 unidades: 13 da bandeira Todo Dia (lojas de bairro), 9 hipermercados e 2 supermercados. A avaliação é que essas lojas apresentavam baixo desempenho. Outras 20 lojas estão em processo de conversão e passam por reforma para que possam operar a partir de outra bandeira do grupo.

Também como parte da reestruturação da empresa, o agora Big anunciou em maio que iria interromper as atividades no comércio eletrônico. Desde 2017, o site da empresa funcionava como marketplace (plataforma para vendas de produtos de terceiros). Foram demitidos na época 70 dos 90 funcionários responsáveis pela operação.

A empresa afirmou que, no futuro, deveria buscar uma convergência entre o canal físico e o digital, indicando que planeja um retorno ao comércio eletrônico no futuro.

Veja também

Consumidores reclamam de Black Friday sem descontos atrativos
Black Friday

Consumidores reclamam de Black Friday sem descontos atrativos

Siderúrgicas dizem que possibilidade de faltar aço 'é zero'
economia

Siderúrgicas dizem que possibilidade de faltar aço 'é zero'