BRASIL

Zetta: novo índice do BC sobre rotativo é importante passo para transparência de juro cobrado

Para a Zetta, o indicador refletirá os efeitos positivos da nova regulação

Cartões de créditoCartões de crédito - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A Zetta, associação que engloba as principais fintechs e bancos digitais do País, considera a nova forma de divulgação dos juros do rotativo de cartão de crédito um importante passo para dar mais transparência às taxas efetivamente cobradas na categoria. Mais cedo, o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, anunciou que a instituição começa a divulgar um novo indicador mensal de crédito sobre rotativo do cartão de crédito.

Para a Zetta, o indicador refletirá os efeitos positivos da nova regulação para endereçar o chamado "efeito bola de neve" dos juros no cartão.

"Ao apresentar o porcentual da dívida original cobrado em juros a cada mês, o novo ranking é mais representativo da realidade ao listar, com clareza, o quanto os clientes que entraram no rotativo do cartão estão pagando de encargos", trouxe a associação em comunicado.

Além disso, conforme a Zetta, a evolução histórica do ranking mostrará, na prática, a implementação da nova regra para o rotativo do cartão de crédito: no caso de atingimento do teto previsto em lei, de juros equivalentes a 100% da dívida original, a taxa permanecerá inalterada nos meses seguintes - deixando evidente o fato de que a nova regra acabou com o "efeito bola de neve" causado pela incidência de juros sobre juros do cartão, sem um limite pré-estabelecido.

"O novo ranking apresentado nesta sexta-feira pelo Banco Central é mais claro e representativo dos juros cobrados das pessoas que entraram no rotativo do cartão, ajudando a informar a população sobre os reais encargos da categoria", trouxe a nota. "A Zetta sempre defendeu a transparência e a educação financeira como caminhos fundamentais para uma inclusão financeira saudável", continuou.

Veja também

Plataformas estrangeiras calculam que consumidor deve pagar 44% de imposto sobre importados
economia

Plataformas estrangeiras calculam que consumidor deve pagar 44% de imposto sobre importados

Sudene e IBGE firmam parceria para agrupar informações sobre o Nordeste
Desenvolvimento

Sudene e IBGE firmam parceria para agrupar informações sobre o Nordeste

Newsletter