Tecnologia

Zuckerberg vai congelar contratações e reduzir equipes da Meta pela primeira vez

O presidente -executivo da gigante de tecnologia diz que, em 2023, empresa será provavelmente menor do que neste ano

Mark ZuckerbergMark Zuckerberg - Foto: Josh Edelson/AFP

O presidente-executivo da Meta Platforms, Mark Zuckerberg, delineou planos abrangentes para reorganizar as equipes e reduzir o número de funcionários pela primeira vez, encerrando uma era de rápido crescimento na gigante da mídia social.

No que seria o primeiro grande corte no orçamento desde a fundação do Facebook em 2004, Zuckerberg disse que a empresa vai congelar as contratações e reestruturar algumas equipes para cortar despesas e realinhar prioridades. Meta provavelmente será menor em 2023 do que foi neste ano, disse ele.

Ele anunciou o congelamento durante uma sessão semanal de perguntas e respostas com os funcionários, de acordo com uma pessoa presente. Zuckerberg acrescentou que a empresa reduziria os orçamentos da maioria das equipes, mesmo aquelas que estão crescendo, e que elas resolverão como lidar com as mudanças no número de funcionários.

Isso pode significar não preencher as vagas dos funcionários que saírem, transferir pessoas para outras equipes ou trabalhar para “gerenciar pessoas que não estão tendo sucesso”, de acordo com comentários revisados pela Bloomberg.

“Eu esperava que a economia já estivesse mais claramente estabilizada agora”, disse Zuckerberg. “Mas pelo que estamos vendo, ainda não parece, então queremos planejar um pouco conservadoramente.” Um porta-voz da Meta se recusou a comentar.

Os cortes de custos adicionais e o congelamento de contratações são a admissão mais contundente da Meta de que o crescimento da receita de publicidade está diminuindo em meio à crescente competição pela atenção dos usuários.

O negócio de publicidade da empresa, baseado na segmentação precisa do consumidor, perdeu parte de sua vantagem devido a novas restrições de privacidade da Apple no rastreamento de usuários do iPhone.

O TikTok está atraindo usuários mais jovens para longe do Instagram. E Zuckerberg está fazendo uma aposta cara no metaverso, um futuro imersivo de realidade virtual onde ele imagina que as pessoas acabarão se comunicando, um esforço que, segundo ele, dará prejuízo por muitos anos.

No início do ano, a Meta disse que planejava desacelerar a contratação de alguns cargos de gerenciamento e adiou a convocação de estagiários de verão. O congelamento anunciado hoje foi necessário porque “queremos ter certeza de que não estamos adicionando pessoas a equipes onde não esperamos ter funções no próximo ano”, explicou Zuckerberg na reunião.

Mais um divórcio bilionário: ex de Bezos, MacKenzie Scott, com fortuna de US$ 28,9 bi, vai se separar

Zuckerberg havia alertado em julho que a Meta “reduziria firmemente o crescimento do número de funcionários” e que “muitas equipes vão encolher para que possamos transferir energia para outras áreas”. As prioridades internas incluem Reels, o concorrente TikTok , e o metaverso de Zuckerberg.

A Meta tinha mais de 83.500 funcionários em 30 de junho e adicionou 5.700 novas contratações no segundo trimestre.

Zuckerberg disse na quinta-feira que a empresa seria "um pouco menor" até o final de 2023. “Nos primeiros 18 anos da empresa, basicamente crescemos rapidamente a cada ano e, mais recentemente, nossa receita caiu ligeiramente pela primeira vez”, disse ele à equipe.

Durante teleconferência de resultados do primeiro trimestre, a Meta disse que as despesas anuais seriam cerca de US$ 3 bilhões abaixo do projetado inicialmente, reduzindo uma faixa estimada de US$ 95 bilhões. Em medidas anteriores para reduzir gastos, um relógio de câmera dupla que a empresa estava planejando para competir com o Apple Watch foi abandonado.

A Meta não é a única empresa dependente de publicidade a ser atingida por desafios econômicos mais amplos. Em maio, o Twitter anunciou congelamento de contratações e tem pedido aos funcionários que observem suas despesas e reduzam os custos de viagens e marketing.

O Google, da Alphabet , também disse que diminuiria as contratações durante a segunda metade do ano. Já o Snap cortou 20% de sua força de trabalho em agosto.

Veja também

Sudene comemora a ampliação do acesso aos financiamentos do BNDES para o Nordeste
Desenvolvimento Econômico

Sudene comemora a ampliação do acesso aos financiamentos do BNDES para o Nordeste

Abimaq: nova lei para indústria deve gerar R$ 20 bi em investimentos
setor industrial

Abimaq: nova lei para indústria deve gerar R$ 20 bi em investimentos

Newsletter