Folha Imóveis 2023

Programa investe na transformação do Recife

Realização do Portfólio de Imóveis é um dos instrumentos que estão sendo desenvolvidos pelo Recentro, começando pelo Bairro do Recife, para recuperar a economia e a cultura da área central da Capital pernambucana

Prefeitura do Recife aprovou incentivos fiscais para o CentroPrefeitura do Recife aprovou incentivos fiscais para o Centro - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Recuperar o Centro do Recife para manter e zelar pelo desenvolvimento das potencialidades econômicas, arquitetônicas, históricas e culturais de forma integrada da região. É assim que o Programa Recentro, da Prefeitura do Recife, vem atuando no local através de um plano com iniciativas que contribuem para a transformação urbana imediata dos bairros do Recife, São José e Santo Antônio

Uma das mais importantes ações que vêm sendo realizadas pelo Programa é o Portfólio de Imóveis, que é o levantamento da situação dos imóveis do Centro, iniciando pelo Bairro do Recife. Em janeiro deste ano, um total de 336 imóveis foram levantados, desses, 176 estão em funcionamento, 84 estão fechados, 22 estão em reforma, 11 abandonados, em 41 não foi possível fazer identificação, e um foi demolido. 

O trabalho desenvolvido permite identificar no levantamento dos imóveis do território sobre o tipo de uso, possibilidade de reocupação, verificação de pendências legais, inclusive, conta com a parceria de outros órgãos como o Instituto da Cidade Pelópidas da Silveira (ICPS) e a Defesa Civil. O trabalho envolve todos os imóveis dentro do território do Recentro e possibilita entender as ocupações, atividades e disponibilidade de imóveis, facilitando a articulação dos mesmos com possíveis investidores interessados. 

O levantamento é feito para contribuir com a atuação do Recentro, que articula e faz a ponte entre investidores em busca de áreas para instalar seus empreendimentos e os proprietários de imóveis, e acompanha os processos necessários para que a ocupação das edificações aconteça. O Gabinete do Centro do Recife foi criado pelo prefeito João Campos, em dezembro de 2021, com uma estrutura exclusiva para pensar e articular com todas as secretarias e órgãos da gestão, setor privado, academia e demais segmentos da sociedade civil para realizar transformações urbanas no Centro.

Articulação e escuta
A chefe do Gabinete do Centro do Recife, Ana Paula Vilaça, que coordena o Recentro, explica que a principal atribuição do órgão é fazer a articulação e escuta entre as instituições públicas, os diversos atores que vivem o Centro e aos que se interessam por planejar e ocupar o território.

“Fazemos o atendimento a novos investidores interessados em se instalar no Centro e ocupar os imóveis disponíveis, sendo que atualmente assessoramos 46 novos investimentos de pequeno, médio e grande portes. Recebemos proprietários de imóveis diariamente interessados em conhecer o programa, motivando-os a investir na recuperação de seus imóveis juntamente com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação”, afirma Ana Paula Vilaça. 

Ana Paula Vilaça, chefe do Gabinete do Centro do Recife, ressalta a contribuição para o desenvolvimento do Recife Ana Paula Vilaça, chefe do Gabinete do Centro do Recife, ressalta a contribuição para o desenvolvimento do Recife | Foto: Vanessa Alcântara/PCR

Segundo a gestora, o Gabinete do Centro do Recife acompanha diretamente os processos e articulações de 17 projetos privados em processo de licenciamento dentro das diversas secretarias e órgãos da Prefeitura, a fim de facilitar e agilizar a resolução das diversas pautas envolvidas. 

O proprietário do recém-inaugurado Bar Frege, Paulo Braz, diz que contou com a assessoria do Programa Recentro. “Ter o Recentro próximo aos empreendedores é fundamental, pois temos uma instância a quem podemos recorrer para as nossas demandas. Chego a afirmar que a existência do Recentro é fundamental para o renascimento do Recife Antigo”, destaca o empreendedor.

Incentivos fiscais
A Prefeitura do Recife aprovou incentivos fiscais (Lei 18.869), que estimulam os proprietários a manter, recuperar e restaurar seus imóveis, além de atrair empreendedores para novos negócios nas zonas especiais de Patrimônio Histórico nos bairros do Recife, São José e Santo Antônio.