Folha Imóveis

Tecnologia a serviço do mercado imobiliário

Softwares e ferramentas desenvolvidas especialmente para o setor inovam e impulsionam os negócios, aumentando a integração entre empresas e clientes

Cada vez mais integrada ao dia a dia, a tecnologia tem papel fundamental na evolução do mercado imobiliárioCada vez mais integrada ao dia a dia, a tecnologia tem papel fundamental na evolução do mercado imobiliário - Foto: Freepik

Cada vez mais integrada ao cotidiano da população, a tecnologia tem realizado um papel fundamental na evolução do mercado imobiliário. O desenvolvimento e  o uso de novas ferramentas nos processos relacionados ao setor possibilitam uma maior integração entre empresas e clientes.

As inovações estão presentes em todas etapas, desde a incorporação, elaboração dos projetos, construção e o processo efetivo de venda ou aluguel. Além disso, o uso da tecnologia também é capaz de impactar inclusive no momento pós-compra, garantindo a satisfação do cliente com sua nova aquisição.

Um dos exemplos é o uso da geolocalização para impulsionar as escolhas de empresas e compradores. A ferramenta possibilita um conhecimento amplo do local onde um empreendimento será construído, facilitando a tomada de decisões estratégicas. 

De acordo com o especialista em soluções para o mercado imobiliário e CEO da PMC, Regis Souza, o uso da geolocalização pode ser definitivo para determinar o possível sucesso do empreendimento. 

“Antigamente, o mercado imobiliário utilizava os fatores geográficos de uma forma básica, só para determinar a proximidade dos serviços e acessibilidade. Com a geolocalização é possível realizar uma análise mais profunda das informações", afirma. "Com o GPS e a análise de dados que costumam ser fornecidos por dispositivos móveis, é possível saber informações como a renda média das pessoas que trafegam por aquela região, tempo gasto no entorno, frequência com que passam pelo local, entre outras coisas”, diz Souza.

O uso desses dados é essencial para determinar o perfil da construção e dos clientes que poderão ser impactados pelo empreendimento. Além disso, a geolocalização também auxilia no direcionamento correto de ações para o público alvo. 

Diferencial do setor

Para Regis, saber utilizar as informações fornecidas pela tecnologia de forma adequada é um grande diferencial para as empresas do setor. “A tecnologia está transformando o mercado imobiliário. Os dados de localização são uma ferramenta poderosa para as empresas e deverão desempenhar um papel ainda maior na formação do futuro do mercado imobiliário, na medida em que forem evoluindo e criando novas oportunidades de inovação e eficiência”, destaca. 

Tecnologia está presente em todas as fases no setor imobiliário, da elaboração do projeto ao cotidiano do moradorTecnologia está presente em todas as fases no setor imobiliário, da elaboração do projeto ao cotidiano do morador | Foto: Freepik

Em Pernambuco, o uso desses tipos de ferramenta é visto como consolidado. A opinião é do diretor de tecnologia e custos da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi-PE), Fernando Fink. 

“Temos uma gama vasta de tecnologias que são utilizadas em todos os processos. Na etapa inicial dos projetos temos desde o mapeamento dos terrenos, levantamento topográfico, uso de drones para a identificação da vegetação local, entre outros pontos. Depois nós podemos contar com o uso da realidade aumentada e das maquetes virtuais, que tiveram um crescimento durante a pandemia”, observa.

No entanto, Fernando ainda observa um grande potencial de crescimento no uso da tecnologia nos processos de execução de obras. Atualmente, o mercado já conta com softwares desenvolvidos especificamente para esses pontos e que são capazes de auxiliar na gestão do processo, reduzindo os custos. 

Um dos exemplos é a tecnologia BIM (Building Information Modeling), que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Por meio da plataforma, é possível realizar todo o planejamento de uma construção e administrar até mesmo o pós-obra. 

Já na parte da comercialização, os destaques são as ferramentas de captação, capazes de auxiliar na conversão do interesse do comprador em uma venda efetiva. Para esse segmento, a inteligência virtual deverá despontar como grande forma de auxílio. 

“Nós teremos grandes oportunidades. A comercialização já acontece de forma muito digital e é preciso entender como esse formato pode potencializar as vendas. Já temos uma boa maturidade no uso do que já está disponível, mas é preciso saber como utilizar as novas ferramentas”, conclui o diretor da Ademi. 

Imóveis na palma da mão

Com relação aos consumidores, a tecnologia pode auxiliar consideravelmente na procura de imóveis que se encaixem no perfil escolhido. Além disso, ela também garante outra importante praticidade, permitindo que o cliente conheça o entorno de algum empreendimento, realize os trâmites necessários e até mesmo consolide um contrato de forma virtual. 

Criada em 2012, uma startup brasileira focada em oferecer serviços de aluguel e venda de forma simplificada e virtual, o QuintoAndar, registrou no último ano a marca de 1.400 contratos assinados por mês. 

O número aponta para a adequação do mercado ao novo formato, que está disponível na palma da mão por meio de um aplicativo que promete oferecer uma experiência imobiliária transparente, tecnológica e segura.
Para inserir antigos protagonistas do setor, a plataforma também oferece um software de gestão de relacionamento para que os corretores possam administrar sua gama de clientes.

Na visão do diretor da empresa Arthur Malcon, as iniciativas reforçam o compromisso da startup com o mercado imobiliário. “Estamos pautados na autonomia e no atendimento humanizado atrelado ao uso de tecnologias. Uma vez que os corretores perceberam valor neste modelo, o engajamento proporcionou melhores resultados em vendas com o QuintoAndar”, diz. 

Outras tecnologias também vêm sendo implantadas pela empresa para garantir a inovação nos negócios. Por meio de um algoritmo chamado ‘‘Preço Certo’’, a plataforma é capaz de realizar uma precificação das ofertas de forma mais eficiente. 

Também utilizando a geolocalização e as características das residências, ela realiza a comparação de preços com imóveis similares e é capaz de apontar a demanda nos locais. Disponível para proprietários, ela permite que a precificação seja realizada com maior precisão. Além disso, a plataforma também garante que o contrato possa ser fechado de forma 100% digital.

Empresas já oferecem visitas virtuais pelo imóvel de interesse do clienteEmpresas já oferecem visitas virtuais pelo imóvel de interesse do cliente | Foto: QuintoAndar/Divulgação

Para facilitar o processo, o cliente pode realizar um tour virtual pelo imóvel, o que dispensa a necessidade de agendamento e deslocamento. Por meio de um aplicativo, o cliente consegue ter uma visão 360º do imóvel.

Outra opção é a visita guiada por meio de chamada de vídeo, que possibilita ao cliente um maior dinamismo no processo. 

Conectadas e sustentáveis

Para quem busca um imóvel, a demanda por tecnologia vai além. O desenvolvimento de novas ferramentas de automação e inovação tem conquistado os brasileiros nos últimos anos.

De acordo com uma pesquisa divulgada neste ano pelo Grupo OLX, que reúne ZAP, Viva Real e OLX Imóveis, a segurança é o principal benefício procurado por quem busca uma casa conectada. 

O item foi apontado como prioridade para 56% dos entrevistados, que também mencionaram outras facilidades, como conveniência, acessibilidade, economia de energia e gerenciamento de tempo.

Para os compradores, outra grande vantagem apontada no uso da tecnologia está na adoção de práticas sustentáveis. O levantamento também apontou que para 78% dos entrevistados, morar em uma casa tecnológica equipada com dispositivos inteligentes, acionados à distância ou integrados entre si é sinônimo de sustentabilidade.

A pesquisa constatou um desejo dos brasileiros de morar em residências mais tecnológicas e sustentáveis, mesmo que o investimento financeiro seja maior. Entre os participantes do levantamento, 40% responderam que com certeza comprariam um imóvel com adaptações, mesmo que tivessem que pagar mais caro por isso, enquanto outros 36,6% apontaram a probabilidade de seguir pelo mesmo caminho. 

“A sustentabilidade ambiental é um tema cada vez mais importante, e os dados revelam que os consumidores estão atentos a isso", afirma Marcelo Dadian, VP de Novos Negócios e Incorporadoras do Grupo OLX. "O mercado imobiliário também precisa estar preparado para atender clientes cada vez mais exigentes e conscientes”, diz.

Para ele, um dos indicativos de evolução no segmento e na preocupação com o desejo do cliente está na busca de materiais certificados ambientalmente na construção dos imóveis. “Ainda que seja necessário evoluir muito nesse sentido, é notável a preocupação das empresas do setor com o uso de materiais certificados e com a contratação de fornecedores que atendam às questões de sustentabilidade, como redução de descarte gerado pelas obras e compensação de crédito de carbono”, completa Dadian.

Marcelo Dadian: "O mercado imobiliário precisa estar preparado para clientes cada vez mais conscientes” | Foto: OLX/Divulgação

Tendência em Pernambuco

Em Pernambuco, a tendência também é uma realidade. No entanto, ainda existe uma dificuldade na adequação dos negócios aos desejos do consumidor. O entrave é encontrado especialmente nos custos dos projetos, que costumam ser mais caros para garantir a sustentabilidade. 

“Existe uma grande preocupação dos compradores por conta do nível de conscientização",  avalia o diretor da Ademi Fernando Fink.." As construtoras têm explorado isso na etapa de uso do empreendimento, com a implantação de painéis solares, gestão eficiente e redução do consumo da água [...], projetos que já possibilitam a entrega do empreendimento adequado à exigência”, afirma.

Para viabilizar as práticas dentro do preço adequado ao consumidor, os projetos podem são adaptados. Na visão de Fernando Fink, é possível conseguir imóveis mais sustentáveis com menor custo. 

Sustentabilidade ambiental é uma das principais preocupações de quem procura um imóvelSustentabilidade ambiental é uma das principais preocupações de quem procura um imóvel | Foto: ACLF/Divulgação

“Temos empreendimentos no Estado voltados para o Minha Casa Minha Vida, por exemplo, que possuem o selo de sustentabilidade. É possível viabilizar essa mudança com o uso de tecnologias inovadoras”, destaca. 
Uma pesquisa divulgada pelo Grupo Zap aponta que, entre os itens considerados importantes nesse processo de adaptação da casa para um padrão sustentável, a maioria dos brasileiros, cerca de 71%, destaca o uso de energia solar como item fundamental. Já outros 68% citam o aproveitamento da iluminação natural. 

Para os próximos anos, a expectativa é que a popularização das ferramentas e dos processos de inovação possam facilitar na adoção de tecnologias e da sustentabilidade no mercado imobiliário, que já vem se adequando ao futuro próximo.
 

Veja também

Arte nos prédios: galeria a céu aberto
Folha Imóveis

Arte nos prédios: galeria a céu aberto

Tolive: investindo em inovação e na oferta de soluções
Folha Imóveis

Tolive: investindo em inovação e na oferta de soluções

Newsletter