Fórum Nordeste 2023

Fórum Nordeste 2023 reúne empresários, políticos e autoridades sob o comando do Grupo EQM e Folha

Este ano, o tema central é a transição energética

Fórum Nordeste 2023Fórum Nordeste 2023 - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Com a presença de diversas autoridades, a 12ª edição do Fórum Nordeste é realizada no Mirante do Paço, no Bairro do Recife, na região central da Capital, nesta segunda-feira (4).

O evento é promovido pelo Grupo EQM, presidido pelo empresário Eduardo de Queiroz Monteiro. Este ano, o tema central do Fórum é a transição energética. Com isso, estão sendo abordados temas fundamentais para os setores de biocombustíveis, etanol e energias limpas. Ao longo do dia, palestras com nomes relevantes da área são realizadas. 

Na abertura, o presidente do Grupo EQM, Eduardo de Queiroz Monteiro; o presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar no Estado de Pernambuco (Sindaçúcar-PE), Renato Cunha; o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira; e a governadora de Pernambuco, Raquel Lyra, ressaltaram a importância da pauta.

"Estão aqui as representações mais qualificadas do setor. Esse Fórum teve o objetivo de trazer essa discussão com um olhar sobre o Nordeste na geração e na produção de bioenergia. Essa é a 12ª edição, ele [o Fórum] nasceu muito raquítico, muito modesto, mas foi ganhando corpo, o governador Eduardo Campos teve um papel importante na realização dele, o então secretário de Desenvolvimento Econômico Fernando Bezerra teve uma participação importante em cada uma dessas realizações", pontuou Eduardo de Queiroz Monteiro no início do evento. 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Folha de Pernambuco (@folhape)

De acordo com a governadora Raquel Lyra, Pernambuco tem um grande potencial na área de energias renováveis. Lyra reafirmou o compromisso do Governo do Estado em investir no setor

“Quando se olha para Pernambuco e para o Nordeste temos um grande potencial de energias eólica e solar. Quando a gente olha para os biocombustíveis, essa energia é que vai ter que alimentar a transição energética e a própria produção do hidrogênio verde. A gente tem a posição geográfica que nos coloca para o mundo, temos o sol e o vento necessários para essa produção, então basta que a gente consiga construir as energias necessárias para descarbonizar a economia”, disse. 

Segundo o presidente do Sindaçúcar-PE, Renato Cunha, “ser eficiente hoje em dia é buscar a justiça climática e descarbonizar de forma contínua dentro dos parâmetros dos ciclos de vida dos produtos finais”. 

Ele destacou, ainda, que a criação do Programa RenovaBio, em 2017, assegurou também mais previsibilidade para ganhos de eficiência energética, e da redução de gases causadores do efeito estufa na produção e comercialização dos biocombustíveis. 

“Seguramente, o Fórum alcançará no desenrolar de suas discussões a sua amplitude máxima no campo das energias renováveis, notadamente nos contextos das fontes oriundas dentre outras do hidrogênio verde, da biomassa, da solar, da eólica, das pequenas centrais hidrelétricas, e ainda no âmbito dos combustíveis limpos como o etanol, o biodiesel e os destinados a aviação e ao transporte marítimo dentro das transições energética e ecológica ora em formulação pelo Governo Federal”, comentou Renato. 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Folha de Pernambuco (@folhape)

Durante o discurso de abertura, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, adiantou as prioridades da Câmara para o setor no segundo semestre. 

“Na agenda legislativa combinada, conversa, dialogada, com os líderes partidários, os partidos representados no parlamento, temos a pauta verde, que está entre as grandes prioridades deste segundo semestre. Planejamos dar andamento às deliberações de matérias relacionadas à economia sustentável, um setor que o Brasil está bem posicionado para desempenhar um papel de destaque e alcançar resultados significativos em termos de preservação ambiental, e sustentabilidade do crescimento econômico”. 

Neste ano, a Câmara aprovou o projeto que autoriza o comércio de créditos de carbono e o acesso à biodiversidade em florestas públicas. “A nova norma já está em vigor, mas devemos evoluir mais sobre esse tema. Ainda no primeiro semestre foi instalado na Câmara dos Deputados a Comissão Especial de Transição Energética e Produção de Hidrogênio Verde no Brasil, o colegiado que está acompanhando a implantação das medidas para a transição da energia verde no País”, ressaltou. 

O presidente tem participado de diversos eventos com representantes do setor produtivo nacional. Ele frisou que fica contente quando presencia ideias e atitudes no Nordeste que, verdadeiramente, são capazes de promover avanços e de modernizar o parque industrial e de colocar o País em sintonia com o mundo. 

“Ao abordar questões atinentes ao etanol, aos biocombustíveis e as energias limpas, esse Fórum sinaliza que existe uma grande disposição dos empresários e investidores de fazer com que o Brasil assuma um protagonismo que lhe cabe neste meio”, destacou. 

Também estiveram no palco durante a apresentação o ministro da Defesa, José Mucio Monteiro; os senadores Fernando Dueire e Fernando Farias; o deputado federal e presidente da Frente Parlamentar Mista do Etanol, Zé Vitor; o membro do Conselho Nacional de Política Energética, Robson Barbosa - representando o governador da Paraíba, João Azevedo; o assessor especial George Braga - representando a ministra da Ciência e Tecnologia, Luciana Santos; o secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Pietro Mendes - representando o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira; o presidente do Banco do Nordeste (BNB), Paulo Câmara e o presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador André Guimarães. 

Após as palavras iniciais, o vice-presidente de Assuntos Regulatórios da Stellantis para a América do Sul, João Irineu Medeiros; o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira e o ministro da Defesa do Brasil, José Mucio Monteiro, foram agraciados com o Prêmio Fórum Nordeste 2023, que reconhece as lideranças que contribuíram e contribuem em favor dos setores de biocombustíveis, etanol e energias limpas, especialmente no Nordeste.

"Quero parabenizar o Sindaçúcar, na pessoa do presidente Renato Cunha, e o Grupo EQM através de Eduardo Monteiro por esse importantíssimo evento que estão realizando hoje. É importantíssimo para Pernambuco, importantíssimo para o setor. Nós precisamos nos juntar", afirmou o ministro da Defesa sobre o Fórum Nordeste. 

Já o presidente do Banco do Nordeste, Paulo Câmara, também enalteceu a realização do evento: "a gente fica feliz por saber que o Fórum está completando sua 12ª edição. Isso mostra que o grau de profissionalismo da região está se desenvolvendo cada vez mais e aqui em Pernambuco não está sendo diferente, com o patrocínio do Grupo EQM. E o Banco do Nordeste vem se juntar a esse esforço. A gente sabe da importância dessa transição para energias limpas, sabemos que o mundo precisa disso e essas discussões precisam avançar cada vez mais e vamos estar juntos".

Para o prefeito do Recife, João Campos, o Fórum Nordeste coloca o Recife como sede da discussão sobre transição energética. “A gente enxerga o Brasil com muitas potencialidades em áreas e regiões distintas. Se a gente for olhar de maneira muito fria, o Brasil pode ser uma grande potência ambiental do mundo. A gente precisa ter a capacidade de governança para colocar isso de pé”, disse.

"Essa iniciativa já é uma tradição, capitaneada por Eduardo de Queiroz Monteiro, só temos a louvar. O mundo está para isso e nós temos que discutir os diferentes métodos e técnicas para uma melhor otimização das nossas fontes energéticas. As fontes renováveis são primordias a serem discutidas nos tempos de hoje", afirmou o deputado federal e presidente nacional do União Brasil, Luciano Bivar.

 

Veja também

Folha Energia: Leia a revista digital

Folha Energia: Leia a revista digital