Acidente tira Pietro Fittipaldi da Indy-500 e breca ascensão

Aos 21, Pietro correria as tradicionais 500 milhas de Indianápolis, prova na qual o avô Emerson Fittipaldi foi bi

Pietro FittipaldiPietro Fittipaldi - Foto: Divulgação

O grave acidente sofrido na última sexta-feira (4) colocou Pietro Fittipaldi sob os holofotes, mas da maneira que nenhum piloto sonha em estar. Neto do bicampeão da Fórmula 1 Emerson Fittipaldi, o piloto quebrou as duas pernas ao colidir com o muro de contenção de Spa-Francorchamps, na Bélgica, e por isso perde a chance de disputar uma prova lendária que marcou a carreira do avô: as 500 Milhas de Indianápolis.

Pietro Fittipaldi tem acordo para correr em parte da atual temporada da Fórmula Indy, revezando um carro da equipe Dale Coyne. A série de lesões sofridas nas pernas, porém, impossibilita a participação do piloto na Indy-500, cujos treinos começam em 15 dias. Não será desta vez que a família Fittipaldi voltará a ter um representante nas 500 milhas, prova que o avô Emerson Fittipaldi venceu duas vezes (1989 e 93).

A expectativa é de que Pietro Fittipaldi fique pelo menos oito semanas em recuperação. Ele sofreu duas fraturas, uma em cada perna, além do rompimento dos ligamentos do joelho direito. O tempo longe das pistas cria um obstáculo quanto ao arranjo na F-Indy como um todo: três das sete provas que ele disputaria na temporada acontecem durante o período estimado para a recuperação.

Leia também:
[Vídeo] Em acidente, Pietro Fittipaldi sofre fratura
Pietro Fittipaldi vai participar do Mundial de Endurance
Pietro Fittipaldi acerta com equipe da Fórmula Indy

O acidente interrompe uma carreira promissora, que aos poucos se consolidava apesar das dificuldades na busca por acordos de patrocínio. O piloto mira a elite do automobilismo mundial, a Fórmula 1, e os meses de recuperação atrasam qualquer evolução neste sentido. Ainda assim, a atual temporada tem sido de conquistas inéditas para Pietro Fittipaldi, que além da F-Indy assinou também para estrear no Mundial de Endurance (WEC) e na Super Fórmula do Japão.

Ele representa a quinta geração de uma família que tem o automobilismo nas veias e na árvore genealógica. Wilson Fittipaldi, seu bisavô, foi entusiasta e pioneiro nas transmissões de corridas pelo rádio. Emerson, o avô, foi o primeiro brasileiro campeão (e bicampeão) mundial da Fórmula 1, nos anos 70, e repetiu o feito na F-Indy nas décadas seguintes. A ascendência inclui ainda Wilson Fittipaldi Jr., seu tio-avô, e o tio Christian, que também correram na F1.

Nascido em 1996, em Miami, o piloto de 21 anos tem dupla nacionalidade e corre sob a bandeira brasileira. Ele destacou-se nos Estados Unidos logo aos sete anos, no kart; e aos 15 tornou-se o primeiro latino-americano a vencer a categoria Limited Late Model da Nascar. O talento no volante o levou a estrear nos circuitos europeus em 2013, quando fez quatro pódios em campeonatos da Fórmula Renault. Dois anos depois Pietro Fittipaldi competiu na Fórmula 3 Europeia, e em 2017 juntou-se à Lotus para a temporada da Fórmula V8 3.5, da qual foi campeão.

O sucesso levou Pietro Fittipaldi a subir um degrau e apostar na Fórmula Indy. O acordo com a Dale Coyne prevê participação em sete das 17 etapas da temporada, mas ele só correu uma até aqui: largou em décimo em Phoenix, mas abandonou após bater. Na ocasião, o piloto escreveu que, quando o carro quebra em uma curva, "você realmente sente o impacto, é muito pesado". O acidente no treino classificatório das 6 horas de Spa-Francorchamps, nesta sexta (4), adiou a estreia dele no Mundial de Endurance. De qualquer forma, Pietro Fittipaldi ainda tem outra etapa para correr: a de 14 de outubro, em Fuji, no Japão.

Veja também

Com Louzer de olho, Sport visita Sete de Setembro, pelo Estadual
Campeonato Pernambucano

Com Louzer de olho, Sport visita Sete de Setembro, pelo Estadual

Com VAR, Clássico das Multidões será marcado por encontro entre opostos
Campeonato Pernambucano

Com VAR, Clássico das Multidões será marcado por encontro entre opostos