Administração do Maracanã será negociada com a Odebrecht

Duas empresas francesas fizeram propostas e aguardam uma definição da construtora baiana

Complexo do Maracanã, que abriga o famoso estádio, no Rio de JaneiroComplexo do Maracanã, que abriga o famoso estádio, no Rio de Janeiro - Foto: Divulgação

A Secretária da Casa Civil homologou, na última quarta-feira, as duas empresas que travam uma disputa para administrar o Maracanã. Com o "nada consta" do governo, os interessados vão negociar agora com a Odebrecht a compra de parte da construtora baiana no consórcio que comanda o estádio. As empresas francesas GL Events e a Lagardère já fizeram suas ofertas.

A GL Events, que administra a Arena Rio, está associada aos grupos CSM e Amsterdam Arena. O Flamengo também já manifestou interesse em trabalhar com a GL. Com a experiência de comandar mais de 60 estádios no mundo, a Lagardère fez a sua proposta sem parceiros. A empresa também quer cuidar do Engenhão. Já se reuniu, inclusive, com dirigentes do Botafogo.

Na decisão publicada no "Diário Oficial" desta quinta, a Secretária da Casa Civil informa que os dois grupos atendem "às exigências elencadas". De acordo com o texto, a GL Events e a Lagardère "foram consideradas aptas a assumir o Bloco de Controle da Concessionária". A Odebrecht é dona de 95% do consórcio e pretende receber cerca de R$ 60 milhões para repassar a sua participação aos interessados. Os outros 5% são da AEG, empresa especializada em gestão de arenas.

Oposição contesta
Horas depois da decisão da Casa Civil, o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Rio cassou o mandato do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), e do vice-governador, Francisco Dornelles (PP). A chapa foi condenada por abuso de poder econômico e político. Pezão vai recorrer ao TSE no cargo.

Apesar de a Casa Civil ter dado o seu "nada consta", o fechamento do negócio corre risco. Os interessados acreditam que a decisão da secretaria poderá ser contestada na Justiça por causa da sentença do TRE, que cassou o mandato de Pezão no mesmo dia. O deputado Marcelo Freixo (Psol) é contra a Odebrecht decidir sobre a venda de sua participação no consórcio.

Em 2013, a empresa junto com a AEG e a IMX, de Eike Batista, venceram a licitação para administrar o estádio por 35 anos. O grupo vencedor ofereceu R$ 5,5 milhões por ano como outorga para exploração do estádio. O consórcio não pagou a primeira parcela da outorga, que venceu no ano passado.

O grupo alega que a operação do estádio foi inviabilizada pela proibição da derrubada do Parque Aquático Julio de Lamare e da pista de atletismo que fazem parte do complexo esportivo, anunciadas pelo governo após a conclusão da licitação. Na época, a Lagardère ficou em segundo lugar. A empresa estava associada com a OAS e a Amsterdan Arena.

Lava Jato
Antes de ganhar a licitação para administrar o estádio, a Odebrecht participou da reforma do Maracanã. A construtora fez a obra junto com a Andrade Gutierrez. Para modernizar o estádio, o Estado pagou cerca de R$ 1,2 bilhões para as construtoras.

Em junho, executivos da Odebrecht afirmaram a procuradores da Lava Jato, em tratativas para negociar sua delação premiada, que o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) cobrou propina em obras como o metrô e a reforma do Maracanã para a Copa de 2014. Ele nega.

Veja também

COI diz que Jogos Olímpicos não serão afetados por estado de emergência em Tóquio
Olimpíada

COI diz que Jogos Olímpicos não serão afetados por estado de emergência em Tóquio

Grêmio anuncia oficialmente Tiago Nunes como novo técnico
Futebol

Grêmio anuncia oficialmente Tiago Nunes como novo técnico