Afogados teme debandada caso Estadual não volte até abril

Presidente do clube, João Nogueira, cogita fazer distrato com atletas e, só após pandemia, voltar a planejar futebol

Pedro Manta, técnico do AfogadosPedro Manta, técnico do Afogados - Foto: Divulgação

Classificação diante do Atlético/MG, goleiro nacionalmente conhecido após pegar dois pênaltis na partida contra o Galo, detentor do artilheiro do Campeonato Pernambucano e atleta vendido ao Sport. Este é o Afogados, grande surpresa do futebol pernambucano neste ano. Dias de glória e destaque  nacional vivenciados antes de o mundo sofrer uma completa e inesperada reviravolta por conta da pandemia da Covid-19. Com a crise instaurada em todos os setores da sociedade, nasce a dúvida sobre o futuro dos clubes de futebol. E a Coruja, claro, não passa ilesa a essa situação.

As expectativas dos torcedores do Afogados foram aumentando exponencialmente após as grandes atuações na Copa do Brasil. O clube de apenas seis anos de fundação já havia feito história quando eliminou o Atlético/AC na primeira partida da competição nacional. O grande momento do time sertanejo, no entanto, estava guardado para a fase seguinte, quando eliminou o todo poderoso Atlético/MG. Somente na terceira fase a equipe conheceu a sua primeira derrota no torneio, diante da Ponte Preta, por 3x0, pela partida de ida.

Aí veio a pandemia do coronavírus e com ela a frustração das expectativas do Afogados, implantando um enorme ponto de interrogação na equipe. À Folha de Pernambuco, o presidente do clube, João Nogueira, esclareceu alguns pontos. "Os contratos com todos os nossos atletas vão até dia 30 de abril. Se chegar nessa data e o Estadual não tiver retornado, nós vamos fazer o distrato com todos os jogadores e só voltaremos a planejar o futebol quando as competições voltarem".

Essa escolha do presidente, no entanto, evidencia a possibilidade de o Afogados perder alguns de seus destaques para o resto da temporada. "Eu vou explicar aos atletas a situação e vamos tentar fechar alguns acordos verbais para eles reassinarem conosco no retorno do futebol. Mas, obviamente, há a possibilidade de eles receberem ofertas melhores e nós termos que fazer uma remontagem grande de nosso elenco. Porém, isso não me preocupa, o que não falta é jogador por aí. Só não posso sair fechando contrato com atletas enquanto nossa equipe não entra em campo e sem ter receita. Se eu fizesse isso, o clube ia quebrar", afirmou João Nogueira.

O meia-atacante Aurélio, o volante Juninho e o atacante Sacramento já foram dispensados e não fazem mais parte do elenco do Afogados. Em relação a Wallef, Candinho e Diego Ceará, o presidente garantiu que os três possuem a cabeça focada no Afogados, não receberam proposta e devem continuar no clube.

Leia também:
Com torneios paralisados, pernambucanos analisam situações contratuais e reforços
Clubes do interior pedem fim do Pernambucano 2020
Evandro descarta fim de Estadual e diz que CBF isentará pagamento de inscrições


à pandemia da

Veja também

Após show, Rebeca Andrade comemora 'decisões inteligentes' na ginástica
Jogos Olímpicos

Após show, Rebeca Andrade comemora 'decisões inteligentes' na ginástica

Seleção brasileira de vôlei feminino vence Coreia do Sul na estreia
Jogos Olímpicos

Seleção brasileira de vôlei feminino vence Coreia do Sul na estreia