'Agora verei Danilo entrar no estádio em um caixão', diz mãe de goleiro

Bonés verdes, bandeiras da Chapecoense e adesivos -agora com um sinal de luto- estão à venda atrás do estádio, em Chapecó (SC)

concursoconcurso - Foto: Arte: Folha de Pernambuco

No início da tarde desta sexta-feira (2), Alaíde Padilha, mãe do goleiro Danilo, disse, em frente ao vestiário da Arena Condó, que o filho "foi um herói" e que sofre ao pensar que agora ele entrará no estádio "dentro de um caixão". "Os dias e as noites demoram a passar. Meu filho era só vibração. Parece que meu coração vai sair pela boca."

Bonés verdes, bandeiras da Chapecoense e adesivos -agora com um sinal de luto- estão à venda atrás do estádio, em Chapecó (SC). "Nunca achei que fosse vender essas peças por esse motivo", diz Gilmar de Quadros, 43, segurando um boné (R$ 25). Ele diz que, há 40 anos, sua família vende artigos da Chapecoense no estádio, em dias de jogos.

Agora, o motivo é outro: o velório coletivo dos mortos na queda do avião que levava o time, delegação e jornalistas para o primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana, na Colômbia, na madrugada de terça (29). Ainda usando camisas do time, torcedores se reúnem no estádio à espera do velório, que terá início na madrugada de sábado (3). De um total de 71, 51 corpos em urnas serão dispostos sob toldos no gramado da arena. O público ficará na arquibancada.

Jornalistas poderão ficar no gramado -mais de 900 de 14 países se credenciaram só nesta quinta (1º) para cobrir a cerimônia. Centenas de profissionais da imprensa já lotam a arena, transmitindo boletins ao vivo do gramado. Os corpos chegam na madrugada deste sábado no aeroporto de Chapecó -três aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira) saíram de Manaus nesta sexta-feira com destino a Medellín para transportar os corpos das vítimas. O voo tem duração média de 4 horas, com escala em Manaus na volta.

Parte dos corpos irá para outras cidades. O restante será levado em caminhões abertos até o estádio, no que promete ser um gigantesco cortejo. Do lado de fora da arena, telões estão sendo montados na tarde desta sexta. O entorno do estádio está interditado -apenas carros com autorização podem entrar.

SOBREVIVENTES

Segundo a assessoria de imprensa do clube, o jornalista Rafael Henzel, que sobreviveu ao acidente, teve leve melhora. Nesta sexta, teria tentado falar, mas está entubado. Um parente que está na Colômbia com ele disse à reportagem que Henzel está sedado. A perna esquerda do goleiro Follmann está fora de perigo e não terá que ser amputada. Os outros sobreviventes da tragédia são Alan Ruschel, Neto e dois tripulantes do avião.

Veja também

Filho de Victor Rangel recebe alta da UTI
Futebol

Filho de Victor Rangel recebe alta da UTI

Executivo de futebol explica modelo de trabalho que será montado no Náutico
Futebol

Executivo de futebol explica modelo de trabalho que será montado no Náutico