Ana Marcela fatura 2º bronze na maratona aquática do Mundial de Budapeste

Três dias depois de subir no pódio na prova de 10 km da maratona aquática, ela voltou a brigar pelas primeiras posições nos 5 km e garantiu a terceira colocação na última braçada na disputa com a holandesa Sharon Van Rouwendaal

Ana Marcela Cunha, da maratona aquáticaAna Marcela Cunha, da maratona aquática - Foto: Attila Kisbenedek/AFP

Em uma chegada emocionante, a brasileira Ana Marcela Cunha conquistou nesta quarta-feira (19) sua segunda medalha de bronze no Mundial de Esportes Aquáticos de Budapeste, na Hungria. Três dias depois de subir no pódio na prova de 10 km da maratona aquática, ela voltou a brigar pelas primeiras posições nos 5 km e garantiu a terceira colocação na última braçada na disputa com a holandesa Sharon Van Rouwendaal.

A diferença entre as nadadoras foi de apenas 1 décimo, com Ana Marcela completando a prova em 59min11s40. O ouro ficou com a americana Ashley Twichell (59min07s) e a prata com a francesa Aurelie Muller (59min10s50). Outra brasileira na prova, Betina Lorscheitter terminou na 20ª colocação com o tempo de 1h01min15s10.

Vale ressaltar que a prova de 5 km não faz parte do programa olímpico da maratona aquática. A brasileira ainda voltará a competir neste Mundial, mas ainda não está decidido se ela correrá os 25 km na sexta-feira ou o revezamento misto no sábado.

A medalha de bronze é a oitava da carreira de Ana Marcela Cunha, que disputa os Mundiais de Esportes Aquáticos desde 2007, quando tinha 15 anos. Em Xangai-2011 ela ganhou ouro nos 25 km, em Barcelona-2013 a prata nos 10 km e o bronze nos 5 km, enquanto em Kazan foi ouro nos 25 km, prata por equipes e bronze nos 10 km. No total, são dois ouros, duas pratas e quatro bronzes.

Veja também

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico
Futebol

Kevyn testa positivo para Covid-19 e desfalca Náutico

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'
Opinião

Casagrande critica omissão da CBF e Bolsonaro: 'Governo da morte, não da vida'