A-A+

Apelidos perdem espaço para nomes compostos no futebol

Uma realidade que caminha na profissionalização com que o futebol é encarado hoje, mas que por outro lado tira um tanto do folclore e da graça do esporte

Apelidos estão ficando cada vez mais no passadoApelidos estão ficando cada vez mais no passado - Foto: Arte FolhaPE

O futebol brasileiro não é reconhecido mundo afora somente por fazer do esporte bretão uma plataforma para a arte. Afora a genialidade de nossos incontáveis craques, o planeta também enxerga no Brasil outras particularidades entre os atletas. Diferente de boa parte do mundo, o comum por essas bandas era que os jogadores não fossem chamados pelo sobrenome ou até mesmo pelo primeiro nome. O lado mais lúdico da modalidade foi expresso em apelidos tão esdrúxulos quanto memoráveis, a exemplo de Pelé, Garrincha, Zico, Tostão. Ou até alguns mais íntimos, que refletia o tratamento carinhoso dos brasileiros, como Didi, Vavá, Dadá, Kaká. Por aqui mesmo, em Pernambuco, ainda surgem alcunhas um tanto bem humoradas, como Caça-Rato, Brasão, Bala, Kuki, Grafite, Pipico, entre outros. No entanto, esse cenário parece ter sofrido uma mudança nos últimos anos. Cada vez mais os jogadores têm adotado o nome de nascença em suas camisas ou vêm utilizando o nome composto. Uma realidade que caminha na profissionalização com que o futebol é encarado hoje, mas que por outro lado tira um tanto do folclore e da graça do esporte.

Antes inimaginável nos últimos anos, hoje é comum ver jogadores sendo "orientados" a abandonar o apelido com o qual iniciaram suas carreiras. "Temos um cliente do Figueirense que é lateral-esquerdo, cujo nome é Matheus Destro. Destro é o sobrenome dele. E aí fica aquela coisa: 'joga na lateral-esquerda, mas o nome é destro'. Cheguei a conversar com ele, se ele queria ser chamado assim mesmo, porque a gente sabe como é, às vezes o torcedor pode fazer uma piada, mas ele disse que não ia mudar, porque já fazia tempo que era chamado assim e aí tem situações que a gente tem que respeitar. É decisão do jogador, mas é algo que a gente não faz muito de imposição. Isso é muito natural, são casos que acontecem", afirma Arthur Virgílio, jornalista e fundador da AV Assessoria de Imprensa, empresa que trabalha com a divulgação de profissionais do esporte.

"No Ceará, Felipe (meia) tem o apelido de Baixola. O próprio Ceará, em ações de marketing, usava o jogador com o nome de Felipe Baixola, mas a gente passou a utilizar mais o Felipe Silva. E ele mesmo falou que gostava de ser chamado de Felipe Silva", acrescenta, sobre o atleta, conhecido pela baixa estatura (1,71m).

No entanto, segundo o próprio Arthur Virgílio, não vai ser um apelido estranho ou curioso que vai afastar o jogador de uma carreira de sucesso. "Eu não sei se pode pesar na valorização ou desvalorização do atleta. Quando o clube contrata um jogador ele olha o macro, o desempenho do jogador dentro de campo. Não acredito que algum clube deixe de contratar um jogador em virtude da nomenclatura, do nome artístico", avalia.

A mesma opinião é compartilhada por Ytalo Pontes, empresário de jogadores. "É uma situação inusitada. Eu sou daqueles que pensa que o mais valioso é a qualidade que o jogador tem, mas existem nomes com umas particularidades interessantes. Eu mesmo já tive que interferir numa situação dessas, com um jogador da Paraíba. O nome dele era até engraçado, é conhecido como Birungueta (meia, que hoje atua pelo Nacional/PB). E aí quando eu o mandei para a Europa as pessoas lá não sabiam o que era isso. Se era nome, se era apelido... e ficou meio como uma chacota. Aí acabou mudando (seu nome de batismo é João Emanuel Ferreira Souza), depois voltou atrás de novo, ficou Birungueta e terminou assim", conta Pontes.

De acordo com Pontes, a adoção de nomenclaturas mais "comuns" por parte dos atletas se deve em boa parte ao fato de que há muitos mais jogadores na ativa hoje em dia. "Outro dia estava falando desses nomes compostos aí, Bruno Silva, João Paulo... Acontece porque se a gente comparar com antigamente, o Brasil devia ter 2 mil jogadores. Hoje temos 200 mil. Acho que essa derivação veio mais da quantidade, para poder especificar, diferenciar. Antigamente, Sócrates, Rivelino, só tinham esses com esse nome. Hoje, temos vários Brunos", diz o empresário, que vê a utilização dos apelidos no futebol como uma faca de dois gumes.

"Esses casos específicos têm a parte boa, que é quando o jogador tem um bom momento, e ele tem um nome engraçado, é mais fácil de cair na graça, mas também tem coisas que às vezes atrapalha. A mesma torcida que aplaude e vibra é a mesma que vaia esse tipo de jogador", analisa. Na visão de Rodrigo Gomes, também empresário de jogadores, é algo natural pela modernização do esporte.

"Eu acho que isso acontece mesmo pela profissionalização do futebol. O futebol, nos últimos anos, mudou muito, principalmente nessa questão. Eu, particularmente, gosto de apelido, porque diferencia o jogador. Digo a todo mundo que, se o cara se chama Rodrigo, por exemplo, quando pegar na bola dez vezes vai ser sempre Rodrigo. Já se ele usa um apelido tipo 'Galego', quando pegar a segunda vez na bola, já é diferente, chama mais atenção", aponta.

"Agora também depende do apelido né. O que eu vejo no futebol, muitos treinadores hoje, até diretores às vezes, têm preconceito com diminutivo, eu já percebi isso. Tem pro lado ruim e lado bom, mas o apelido chama mais atenção. Tem um exemplo. Caça-Rato, mesmo, eu não gosto. Agora para ele foi bom. O nome dele é Flávio né. Caso fosse só Flávio ele dificilmente seria lembrado. Já Caça-Rato todo mundo sabe quem é. Apesar de ser feio, mas foi o que o diferenciou, o ajudou a ser conhecido no Brasil todo", reflete Gomes, em um mundo cada vez mais tomado por nomes mais "profissionais", como Renato Augusto e Douglas Costa, e menos povoado por alcunhas memoráveis, como Chulapa, Dinamite e Vampeta.

Leia também:
Garçom, Ezequiel é destaque do Sport nesta temporada
Náutico recebe Imperatriz buscando primeira vitória na Série C
Técnico do Santa pede atenção com goleador do Ferroviário

Veja também

Florentín lamenta erros e queda anímica do Sport em derrota para o Atlético-MG
Insatisfeito

Florentín lamenta erros e queda anímica do Sport em derrota para o Atlético-MG

Em nota, Roberto Fernandes lamenta rebaixamento: "os problemas foram maiores"
Santa Cruz

Em nota, Roberto Fernandes lamenta rebaixamento: "os problemas foram maiores"