Náutico

Após casos de importunação sexual, Errisson Melo é indiciado pela Polícia Civil

Órgão de segurança pública, no entanto, não informou por quais crimes o ex-superintendente financeiro do Náutico foi indiciado

Errisson MeloErrisson Melo - Foto: Reprodução

Após cinco meses, o ex-superintendente financeiro do Náutico, Errisson Rosendo de Melo, foi indiciado pela Polícia Civil, após a apuração de denúncias de importunação sexual e crimes contra a honra. Em novembro do ano passado, ele foi denunciado por uma ex-diretora do Timbu e uma adolescente de 15 anos. 

Sem informar os crimes por quais Errisson foi indiciado, a Polícia Civil de Pernambuco, em nota, informou que "já foram concluídos os inquéritos policiais e que os procedimentos foram remetidos ao Ministério Público de Pernambuco."

Na época que os casos vieram à tona, a primeira a denunciar Errisson foi a ex-diretora da Mulher e de Operações do Náutico, Tatiano Roma. Ela o acusou de importunação sexual, além de injúria, difamação e calúnia. 

Duas semanas mais tarde, foi a vez de uma adolescente de 15 anos denunciar o irmão do ex-presidente Edno Melo na Delegacia de Polícia de Crimes contra Crianças e Adolescentes (DPCA), alegando importunação sexual. 

Confira a nota da Polícia Civil na íntegra:

A Polícia Civil de Pernambuco informa que já foram concluídos os inquéritos policiais da 1a Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher - Santo Amaro e da Delegacia de Polícia de Crimes Contra a Criança e o Adolescente/DPCA. Os procedimentos foram remetidos ao Ministério Público de Pernambuco.

Veja também

Tandara se defende de suspensão por doping: "Condenada por algo que não fiz"
doping

Tandara se defende de suspensão: "Condenada por algo que não fiz"

"Não tem para quê ter pressa", comenta Yuri Romão sobre pagamento da Salernitana ao Sport por Mikael
Futebol

"Não tem para quê ter pressa", comenta Yuri Romão sobre pagamento da Salernitana ao Sport por Mikael