A-A+

Após críticas, Leston minimiza pressão e não teme demissão

Técnico do Santa Cruz entende cobrança da torcida, mas garante que saída do clube não passa por sua cabeça

Técnico Leston Júnior  Técnico Leston Júnior  - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Criticado por grande parte da torcida após a derrota do Santa Cruz para o ABC/RN, em Natal, pelo jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil, o técnico Leston Júnior voltou a defender o seu trabalho no Arruda. Sobre a cobrança mais forte dos torcedores, ele vê como uma questão natural. O profissional, inclusive, disse que não se apega aos comentários dos tricolores nas redes sociais e minimizou a pressão em entrevista coletiva.

“Isso é absolutamente normal. Faz parte do futebol. Se a gente se classifica contra o CRB e diante do ABC/RN, tudo é lindo e Leston é um baita treinador, que tem dado oportunidades a base, que consegue trabalhar com pouco dinheiro e com um elenco reduzido e ainda tira leite de pedra. Quem escolheu o futebol precisa estar preparado para isso. No dia em que a rede social for termômetro, tem alguma coisa errada. Um clube que tem, por exemplo, 5 milhões de torcedores, não pode se pautar por 400 comentários na rede social. Isso não é parâmetro nem para o bom, nem para o ruim”, disse.

Leia também: 

Com Santa Cruz em baixa, Leston Júnior vê pressão aumentar 

Sem tempo, Santa trabalha lado psicológico e faz treino fechado 

Santa reforça segurança, mas não evita protesto 

Santa Cruz x CRB proporciona reencontros dos dois lados 

Ele ainda garantiu que não há temor de sair do clube em caso de novas eliminações. “Não tenho nenhum tipo de preocupação com relação a ir embora se o clube for eliminado. Não passa pela minha cabeça que o trabalho vai ser interrompido, até porque se eu pensasse assim nem viria para o Santa Cruz. De 2017 para 2018, o Santa teve seis treinadores. Uma média de três por ano. Se eu me preocupasse com isso, não estava aqui”, declarou.

Nas redes sociais, os torcedores questionam alguns métodos de trabalho do treinador, que é adepto de treinamentos fechados. O mau momento do Santa somado ao futebol pobre repercute negativamente entre tricolores. “A paixão do torcedor é natural. Não sou mais torcedor há 18 anos, mas também me comportaria assim. Ninguém quer aqui ensinar a torcer e a analisar futebol. Eu respeito avaliação de todos, e nunca neguei que podemos jogar mais do que estamos jogando”, comentou o comandante tricolor.

Há mais cinco meses no Santa Cruz - anunciado oficialmente em 1º de novembro do ano passado e apresentado no dia 22 do mesmo mês -, Leston Júnior acumula nove vitórias, sete empates e cinco derrotas em 21 jogos disputados (aproveitamento de 53,96%). De lá pra cá, ele recebeu uma proposta do Santo Bento/SP e também foi procurado do Paysandu/PA, mas permaneceu no clube. Ele, inclusive, confirmou o assédio. Na ocasião, o profissional afirmou que quis ficar porque estava satisfeito com o planejamento do clube.

“Há 20 dias, eu era elogiado. Tive proposta, mas não sai. Nem por isso fui lá na diretoria pedir para aumentar o meu salário ou prorrogar o contrato”, disse.

Sob o comando do técnico Leston Júnior, o Santa Cruz conseguiu a classificação à terceira fase da Copa do Brasil e para as quartas de final da Copa do Nordeste, mas foi eliminado precocemente nas quartas de final do Campeonato Pernambucano para o Afogados da Ingazeira.

Veja também

Conselheiros do Santa pedem assembleia para solicitar impeachment de Joaquim Bezerra
Futebol

Conselheiros do Santa pedem assembleia para solicitar impeachment de Joaquim Bezerra

Sport anuncia rescisão contratual de Thiago Neves
Futebol

Sport anuncia rescisão contratual de Thiago Neves