Futebol

Após decisão da FPF, dirigentes concordam com jogos sem visitantes em PE

Yuri Romão, do Sport, e Abdias Venceslau, do Santa Cruz, foram de acordo com medida adotada pela entidade estadual

Torcidas visitantes serão proibidas em clássicosTorcidas visitantes serão proibidas em clássicos - Foto: André Nery e Diego Nigro/Arquivo Folha

O tumulto causado próximo aos Aflitos, antes da bola rolar para Náutico e Campinense, pela Copa do Nordeste, na última terça-feira (25), fez a Federação Pernambucana de Futebol (FPF) proibir a presença de torcedores visitantes nos estádios pernambucanos. A informação foi confirmada pelo presidente da entidade, Evandro Carvalho, à Folha de Pernambuco.

A medida passa a valer já no final de semana, no Clássico dos Clássicos entre Sport e Náutico, pela segunda rodada do Nordestão, na Ilha do Retiro. Todos os três mil bilhetes disponíveis para o encontro serão destinados para os rubro-negros. A determinação vale também para os demais clássicos estaduais e jogos de equipes locais contra adversários de outros estados, como ocorre na Copa do Nordeste. Os demais duelos dos estaduais, envolvendo um ou dois times do interior, permanece com permissão de duas torcidas nas arquibancadas.

Diante do cenário, o presidente leonino em exercício, Yuri Romão, acredita que a decisão tomada pela FPF foi acertada. "Tivemos uma conversa com os outros presidentes e Evandro, fomos supreendidos com a decisão. O que ocorreu, de fato, foi lamentável. Não entendemos porque essas torcidas ainda saem de casa no intuito de brigar. Todo mundo acaba perdendo com isso, ficamos tristes. A de Evandro é acertada, até para conscientizar as torcidas que isso não pode continuar", contou.

Ainda segundo o dirigente rubro-negro, olhando para o lado financeiro, os clubes ainda vão economizar com a medida adotada pela federação. "Uma conta honesta: quem está indo para jogo? Só quem está fazendo os testes gratuitos, pois ir numa farmácia, laboratório está caro. O clássico pela Copa do Nordeste, minha expectativa é entre mil e 1.500 pessoas. Se não tem torcida visitante, eu vou diminuir o efetivo de segurança, é uma economia, compensa. Hoje, com três mil no estádio, eu consigo empatar o custo de uma partida, com mil é prejuizo", explicou.

Com o Náutico afetado diretamente com a medida, principalmente para o jogo deste final de semana, a reportagem procurou o presidente do clube, Diógenes Braga, para falar sobre o assunto, mas não obteve sucesso até a publicação da matéria. 

Já pelo lado do Santa Cruz, o CEO do clube, Abdias Venceslau não adotou um tom muito diferente de Yuri Romão. De acordo com o dirigente coral, a segurança dos torcedores tem que ser colocada acima de tudo. "A gente vai acatar a decisão da FPF, mesmo sabendo que isso é uma coisa para a segurança pública. Sabemos que vai ter um teste agora com esse jogo do final de semana, da Copa do Nordeste, entre Náutico e Sport. Vamos ver como vai ser, mas aceitamos o que foi decidido pelo presidente Evandro", relatou.

Deixando a questão da violência de lado, o dirigente coral afirmou não se preocupar com a ausência de possíveis torcedores visitantes no Arruda. "A torcida do Santa Cruz é muito grande. Tenho certeza que vai ocupar todas as lacunas para encher o estádio, independente da capacidade permitida", se limitou a falar.  

Veja também

Cristiano Ronaldo faz gesto obsceno após torcida rival entoar nome de Messi na Arábia Saudita; veja
Futebol Internacional

CR7 faz gesto obsceno após torcida rival entoar nome de Messi na Arábia Saudita; veja

Inter marca nos acréscimos, derrota Grêmio e garante a melhor campanha no Gaúcho
Futebol

Inter marca nos acréscimos, derrota Grêmio e garante a melhor campanha no Gaúcho