Futebol

Após empate com Criciúma, Claudinei não descarta iniciar jogos com dois centroavantes

Sport terminou o confornto com Vagner Love e Coutinho juntos no ataque, com o primeiro marcando o gol que garantiu o 1x1 na Ilha do Retiro

Vagner Love estreou no Sport com golVagner Love estreou no Sport com gol - Foto: Rafael Bandeira/SCR

A vitória que poderia aproximar o Sport do G4 da Série B do Campeonato Brasileiro não veio. A equipe ficou apenas no 1x1 com o Criciúma, na Ilha do Retiro. Resultado que poderia ser pior. Os catarinenses abriram o placar no primeiro tempo, mas o Leão reagiu na etapa final. Recuperação que partiu de uma mudança tática promovida pelo técnico Claudinei Oliveira.

Para o segundo tempo, Claudinei acionou Vagner Love na vaga de Thiago Lopes, deixando o Sport com dois centroavantes - o outro era Kayke, que minutos depois deixou o campo para a entrada de outro atleta do setor, Gustavo Coutinho. A maior presença de área fez os rubro-negros conseguiram o gol de empate, com Love, de cabeça.

“Isso (começar com dois centroavantes) pode acontecer. O time carece de fazer mais gols na competição para conquistar os objetivos. Trouxemos Vagner, que todos conhecem, e Coutinho, que está sempre fazendo gols por onde passa. Com Kayke e Búfalo, temos quatro jogadores de área e podemos construir isso de ter dois ‘noves’ desde o início”, afirmou o técnico.

“Com Vagner, a gente pretendia jogar 30 minutos, mas Anselmo (preparador físico) conversou com ele e viu que daria para jogar 45. Fez o que se espera dele, o gol, e mostrou liderança no vestiário. Já Coutinho ainda não treinou tanto com o grupo, mas já vimos que ele tem um biotipo bom, impulsão boa e vai nos ajudar no jogo aéreo”, detalhou.

Love foi um dos atletas poupados pela torcida do Sport após o empate. O mesmo não aconteceu com os meias Thiago Lopes e Everton Felipe, alvos de vaias por parte dos rubro-negros. 

“Completei oito dias aqui e já fiz dois jogos. Quando você joga, parece que teve muito tempo para treinar, mas foi pouco. Percebi a cobrança maior em alguns jogadores. Entendemos, mas procuramos dar moral a eles. Se estão aqui, é porque tem qualidade. Ninguém chegou à toa. Lógico que, em alguns momentos, é preciso preservar. Fiz a mudança no intervalo. Se você tira com cinco minutos (do segundo tempo), o jogador sai vaiado. Temos que recuperar os caras. Peço também ao torcedor para ter paciência porque vaiar e xingar só vai atrapalhar. Temos de ter inteligência para recuperar todos”, declarou.

Com o empate, o Sport ficou na sexta posição da Série B, com 31 pontos. A 22ª rodada da competição terminará no sábado, com risco de o Leão cair algumas posições.

“A questão da distância (ao G4) só tem como saber ao fim da rodada. Pode ser um ponto que não tenha muita diferença, como também pode ter. Tropeços acontecem, mas tudo que você fala agora, vira desculpa. Tivemos mais volume, mas a chuva aumentou e a bola começou a parar mais. Demos duas situações ao Criciúma. Uma, Carlos defendeu. A outra foi o gol. Agora é esquecer o que passou. Esse jogo não volta. A preocupação é o Ituano. Temos quatro dias para trabalhar bem, implementar alguma novidade tática e esperar a vitória para recuperar os pontos que perdemos em casa”, completou. 

A partida diante do Ituano será terça (9), no Novelli Júnior.

Veja também

Por falta de quórum, assembleia para mudança de estatuto do Náutico é adiada
Náutico

Por falta de quórum, assembleia para mudança de estatuto do Náutico é adiada

PM acusado da morte de lutador de jiu-jitsu se entrega
São Paulo

PM acusado da morte de lutador de jiu-jitsu se entrega