Árbitro relata na súmula suposto ato racista no Ba-Vi

Renê Júnior deixou o campo muito irritado na vitória por 2x1 do Bahia. Ele diz ter sido chamado de "macaco"

Renê Júnior em ação com a camisa do tricolor da boa terraRenê Júnior em ação com a camisa do tricolor da boa terra - Foto: Felipe Oliveira/Divulgação/EC Bahia

O árbitro Marcelo de Lima Henrique relatou na súmula de Bahia x Vitória a reclamação de Renê Júnior quanto a um suposto ato racista do atacante colombiano Tréllez durante o clássico de domingo (22). Porém, ressaltou que nenhum membro da comissão técnica presenciou o fato.

"Aos 45 mais dois minutos do segundo tempo, quando a bola estava fora de jogo, o atleta nº 23 Renê dos Santos Junior da equipe do E.C. Bahia veio em minha direção informando que o atleta nº 22 Santiago Trelléz da equipe do E.C. Vitoria o chamou de 'macaco'", diz o relato do árbitro.

"Cabe ressaltar que o fato não foi presenciado por mim e por nenhum membro da equipe de arbitragem", completou.

Leia também:
Bahia vence clássico com o Vitória e se afasta da Z4
 

Renê Júnior deixou o campo muito irritado na vitória por 2x1 de sua equipe. Ele se queixou de ter sido chamado de "macaco".

"O que aconteceu é inadmissível no mundo de hoje, no século que vivemos, mas eu sou maior que isso aí. Não é qualquer palavra que vai me colocar para baixo. Eu queria que eu, meus filhos, e todos os outros negros, fôssemos julgados pela personalidade, e não pela cor da pele", afirmou depois o volante do Bahia, em entrevista coletiva.

Apesar do ocorrido, ele disse que não irá denunciar o atacante. "Não vou dar queixa, não. Eu sou maior que isso aí. Para mim, a maior punição vem de Deus."

Tréllez, por sua vez, negou que tenha cometido injúria racial. "Ele (Renê Júnior) é brasileiro, da Bahia, e também queria falar que não chamaria ele de macaco como se está falando. Primeiro, porque eu sou preto. Segundo, (porque) meu pai é preto, ele é rastafári. Em minha família temos muitos pretos. Eu amo ser preto", disse o colombiano.

Veja também

Eslovênia acusa comitê organizador do Mundial de Handebol de servir comida estragada
Handebol

Eslovênia acusa comitê organizador do Mundial de Handebol de servir comida estragada

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno
Sport

Com 21% de chance de queda, Sport encara sequência que lhe deu apenas quatro pontos no 1º turno