justiça

Atleta sul-africana vence recurso de apelação no Tribunal Europeu de Direitos Humanos

Caster Semenya foi impedida de participar de determinadas competições por se recusar a passar por um tratamento para reduzir seu nível de testosterona

Caster SemenyaCaster Semenya - Foto: Fabien Dubessay / AFP

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TEDH) decidiu nesta terça-feira (11) que a atleta sul-africana Caster Semenya foi vítima de atendimento, ao ser impedida de participar de determinadas competições por se recusar a passar por um tratamento para reduzir seu nível de testosterona.

O corte europeu respondeu a uma demanda da atleta, 32 anos, que tem hiperandrogenismo, contra a justiça da Suíça, que em 2020 confirmou que ela deveria ser mantida a um tratamento hormonal se desejava continuar competindo em sua prova favorita, os 800 metros.

"A Suíça extrapolou a margem limitada de propriedade que possuía neste caso, que se referia à descrição com base no sexo e nas características sexuais, que só poderia ser justificada por 'considerações muito fortes'", decidiu o TEDH.

Na questão, a justiça suíça aceitou uma decisão do Tribunal Arbitral do Esporte, que por sua vez validou o regulamento da 'World Athletics' (ex-IAFF) sobre o limite máximo de testosterona.

A decisão do TEDH considerou, em uma votação de quatro juízes contra três, que a Suíça violou a Convenção Europeia dos Direitos Humanos quanto à retenção da reclamação, ao direito ao respeito da vida privada e um recurso efetivo.

O tribunal com sede em Estrasburgo (nordeste da França) também condenou a Suíça a pagar 60 mil euros (66 mil dólares, 321 mil reais) de custos judiciais.

Caster Semenya, que foi campeã olímpica dos 800 metros em Londres-2012 e no Rio-2016, apresenta um excesso natural de hormônios sexuais masculinos. Há mais de uma década ela trava uma disputa sobre a questão com a Federação Internacional de Atletismo.

Com base nas opiniões de especialistas, a World Athletics definiu em abril de 2018 um limite máximo de testosterona (5 nanomoles por litro de sangue) para autorizar a presença de atletas na categoria feminina em distâncias que variam de 400 metros a uma milha (1.609 metros). ). Nessa faixa está a prova dos 800 metros, a preferida de Semenya.

Veja também

Duelo entre Argentina x Canadá marca estreia da Copa América 2024
Futebol

Duelo entre Argentina x Canadá marca estreia da Copa América 2024

Messi, Suárez, Sánchez, Di María: estrelas sul-americanas podem disputar última Copa América
FUTEBOL

Messi, Suárez, Sánchez, Di María: estrelas sul-americanas podem disputar última Copa América

Newsletter