A-A+

Audiência cobra ações da Secretaria Especial de Esporte

Na Câmara dos Deputados, parlamentares pediram definições do trabalho no setor, que passou por mudanças recentes

Audiência pública na Comissão de Esportes da Câmara, em BrasíliaAudiência pública na Comissão de Esportes da Câmara, em Brasília - Foto: Júlio Dutra

A situação do esporte brasileiro quatro meses após o início da atual gestão do governo federal foi discutida, ontem, em audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília. O ministro da Cidadania, Osmar Terra, e o secretário Especial do Esporte, Décio dos Santos Brasil, apresentaram o planejamento e os resultados obtidos pela pasta até o momento. O encontro aconteceu após um requerimento do deputado federal por Pernambuco, Felipe Carreras (PSB).

Além de não haver um orçamento definido para investimentos no setor, alguns cargos de gerência ainda estão em aberto na pasta. Isso fora a própria mudança recente de comando na Secretaria Especial de Esportes. Projeto considerado uma mina de ouro para o desenvolvimento do desporto nacional, a Lei de Incentivo também carece de atenção, com mais de mil projetos represados, alguns sem sequer terem passado pela análise inicial. Não há um planejamento de trabalho estruturado.

“O que vemos hoje é que não existe um orçamento claro, pois ninguém foi capaz de dizer o valor fechado na audiência. Não sabemos quais os programas serão mantidos ou finalizados, muitos deles de impacto social muito grande, como o Pelc (Programa de Esporte e Lazer na Cidade). Estamos a menos de 500 dias dos Jogos de Tóquio e só fomos ter um secretário de Alto Rendimento ontem (terça-feira), com Emanuel. A Lei de Incentivo está emperrada, mesmo tendo um teto de R$ 400 milhões para captação”, criticou Carreras.

O Emanuel citado é Emanuel Rego, multicampeão no vôlei de praia, que havia sido nomeado recentemente para o comando da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) e assumiu nova função. Em seu lugar na ABCD, ficou a ex-ginasta Luísa Parente. Já Washington Cerqueira, ex-atacante, conhecido como Coração Valente, foi convidado para a Secretaria de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social.

“Nós fazemos uma oposição equilibrada e elogiamos quando merece. O convite para esses três atletas para a equipe de esportes é muito importante, pois eles conhecem o desporto, sabem a necessidade dos atletas e de toda a comunidade. Elogiamos também a ampliação do Bolsa Atleta”, pontuou o político pernambucano. A reorganização do Bolsa Atleta, que teve um corte brusco no último dia da gestão Michel Temer, reduzindo de seis mil para três mil beneficiados, foi posta como meta para os 100 primeiros dias do governo Jair Bolsonaro, que cumpriu a promessa de devolver o auxílio às categorias então excluídas.

“Estamos conversando constantemente com o ministro Paulo Guedes e temos a esperança que vamos conseguir mais recursos. Queremos e podemos fazer um projeto amplo para o esporte. Estamos muito confiantes”, afirmou o ministro Osmar Terra. “A nomeação de toda a Secretaria já foi enviada para o órgão responsável e deve estar sendo publicada nos próximos dias. O orçamento nós vamos precisar correr atrás e também a Lei de Incentivo, pois são muitos processos parados. Sinceramente, não temos nem como dar uma previsão de quando vamos resolver esta situação. Além disso, precisamos descentralizar os projetos de incentivo, que ficam muito no Sudeste”, reforçou o general Décio Brasil, recém-chegado à pasta substituindo o general Marco Aurélio Vieira, exonerado após 107 dias de gestão, na segunda quinzena de abril.

Veja também

Quase 300 mil novos candidatos se inscreveram no Enem com gratuidade, diz Inep
ENEM

Quase 300 mil novos candidatos se inscreveram no Enem com gratuidade, diz Inep

Eliminatórias: Brasil e Uruguai terá público na Arena da Amazônia
Futebol

Eliminatórias: Brasil e Uruguai terá público na Arena da Amazônia