Australian Open tem início neste domingo (19)

Primeiro Grand Slam da temporada acontece em Melbourne, na Austrália, até o dia 2 de fevereiro

Rafael Nadal, tenista espanholRafael Nadal, tenista espanhol - Foto: Christophe ARCHAMBAULT / AFP

A temporada 2020 do tênis já está a pleno vapor desde os primeiros dias de janeiro, com a tradicional gira pela Austrália. Mas é impossível negar a ansiedade pelo Aberto da Austrália e aquela sensação de que o ano só começa mesmo quando é dado o start das emoções do primeiro dos quatro torneios de nível Grand Slam realizados anualmente. A contagem regressiva termina na noite deste domingo (19) – manhã de segunda (20) na Austrália) –, com as primeiras partidas dos torneios individuais feminino e masculino. No Brasil, o evento tem transmissão exclusiva dos canais ESPN.

Entre os motivos para não perder o Australian Open 2020 está a possibilidade de o espanhol Rafael Nadal, número 1 do mundo, alcançar o suíço Roger Federer em número de conquistas em Grand Slams. Atualmente, Federer soma 20 títulos, seis deles conquistados na Austrália, enquanto Nadal tem 19, somente um deles no torneio de Melbourne (2009).

Caso vença neste ano, Nadal se tornará o primeiro tenista com ao menos dois títulos em cada um dos GS – tem 12 troféus de Roland Garros, dois de Wimbledon e quatro do US Open. Não se pode descartar, porém, a presença do sérvio Novak Djokovic, atual campeão e maior vencedor do torneio (sete) e dono de 16 títulos de GS.

No feminino, a norte-americana Serena Williams, aos 38 anos, também busca novas marcas pessoais. Caso vença em Melbourne, se igualará à lenda australiana Margaret Court com 24 títulos de GS no currículo. O último título de Serena foi justamente no Australian Open, em 2017.

Devido a complicações após a maternidade, ela demorou a se recuperar, vindo a levantar um troféu somente neste mês, no torneio de Auckland – ela, inclusive, doou a premiação para ajudar na recuperação após os incêndios que afetam a Austrália desde setembro.

A atual líder do ranking mundial é a australiana Ashleigh Barty, 23, que tem o benefício de jogar em casa na busca pelo seu primeiro GS. A tcheca Karolina Pliskova, a japonesa Naomi Osaka e a romena Simona Halep também despontam como favoritas. O torneio marcará ainda a despedida da dinamarquesa Caroline Woznicaki, que anunciou aposentadoria para após o evento.

Aos 29 anos, a ex-número 1 do mundo revelou sofrer de artrite reumatoide. Outra atração é a presença da russa Maria Sharapova, que desde que voltou após suspensão por doping não conseguiu se firmar entre as tops do circuito e precisou de um convite da organização para participar.

Brasil
O País terá apenas um representante, o cearense Thiago Monteiro, 25, que estreará contra o norte-americano John Isner, 20º do mundo, famoso pelos saques potentes.

Programação
Entre os confrontos iniciais do torneio feminino, na noite deste domingo, estão: Naomi Osaka (JAP) x Marie Bouzková (CZE), às 21h*, Serena Williams (EUA) x Anastasia Potapova (RUS), às 22h15, Kristie Ahn (EUA) x Caroline Wozniacki (DEN), às 23h, Petra Kvitova (CZE) x Katerina Siniakova (CZE), também às 23h.

Na chave masculina, tem Matteo Berrettini (ITA) x Andrew Harris (AUS), às 21h, Danis Shapovalov (RUS) x Marton Fucsovics (BUL), também às 21h e Roger Federer (SUI) x Steve Johnson, às 23h30. Confira todos os confrontos e os chaveamentos do Australian Open 2020 aqui.

*Todos os horários são baseados no fuso brasileiro.


Veja também

Chateado, Martelotte se desculpa com o torcedor e lamenta permanência na série C
Santa Cruz

Chateado, Martelotte se desculpa com o torcedor e lamenta permanência na série C

Gestão Constantino Júnior fecha ciclo sem conquistas
Futebol

Gestão Constantino Júnior fecha ciclo sem conquistas