Base do Santa Cruz ressurge das cinzas

Boa participação na Copinha evidencia reposicionamento do Tricolor, que retoma status de vitrine

Desempenho do Santa na Copinha atraiu a atenção do mercado Desempenho do Santa na Copinha atraiu a atenção do mercado  - Foto: Cristiano Fukuyama/Divulgação

Plantar no presente para colher no futuro. Valorizado, o Santa Cruz volta a figurar no mercado sob o status de clube vitrine, após quase dois anos esbarrando em entraves estruturais. Ainda que um ponto final não tenha sido colocado nessas limitações, o aceno positivo de clubes para as categorias de base do Tricolor, especialmente após boa campanha na Copa São Paulo e a recente conquista da Copa Pernambuco, coloca a Cobra Coral em novo patamar. Dessa vez, sob um cenário ainda mais favorável.

De jovens promessas a jogadores disputados no futebol nacional. Somente na levada passada, quando disputou a Série C do Campeonato Brasileiro pelo segundo ano seguido, o Santa Cruz conseguiu exportar quatro atletas provenientes da base. Um deles é Walisson Pequeno, que chegou a treinar com o profissional, mas não atuou em nenhuma partida. Ele rescindiu o contrato com o clube, em março do ano passado, alegando dívidas do Tricolor e assinou com o Goiás, onde hoje integra o Sub-23. A despedida unilateral gerou contratempos, porém não impediu que a Cobra Coral alinhasse posse de 35% dos direitos econômicos do meia-atacante.

Leia também:
Santa se complica após expulsão e dá adeus à Copinha
Epopeia do Santa na Copinha ganha novo capítulo
Rokenedy brilha, e Santa avança na Copinha
Santa vence Náutico e fatura título da Copa Pernambuco

Parte da mesma safra, Elias Carioca, por outro lado, subiu ao profissional ao se destacar com a camisa coral no Brasileiro de Aspirantes. Sob o olhar do então técnico Leston Júnior, o garoto de 20 anos foi bem no início da temporada, mas, posteriormente, caiu de rendimento. O talento do atacante, no entanto, não passou batido e o Santa Cruz foi exitoso ao vender o jogador ao Athletico-PR, em setembro, por pouco mais de R$ 1,6 milhão - o Tricolor ficou com R$ 900 mil bruto. O atleta participou de 28 jogos e marcou cinco gols pela Cobra Coral.

Ainda na mesma linhagem, o zagueiro João Victor, que disputou 32 partidas com um tento anotado pelo clube coral, assinou com o Vitória por cinco temporadas, depois de ter sido emprestado ao rubro-negro baiano na metade do segundo semestre. O Santa Cruz negociou 50% dos direitos econômicos do jogador por R$ 800 mil, em pagamento parcelado. Mais recentemente, apesar de ainda não ser oficializado pelo Tricolor, o lateral-direito Warley fechou com o Botafogo-RJ. O clube pernambucano ficará com 40% dos direitos do atleta.

Como uma sequência do trabalho impulsionado no ano passado, o Santa Cruz apresentou em seu elenco, nas categorias inferiores, atletas que hoje começam a ser reconhecidos. O goleiro Rockenedy, dono das luvas que garantiram a Cobra Coral na terceira fase da Copinha, após defender dois pênaltis contra o Operário; a dupla de zaga Júnior e Igor, o volante André, o meia-atacante Felipe Cabeleira, que já foi integrado ao elenco profissional, e os atacantes Felipe Almeida e João Cardoso. Todos cotados para jogar pelo time principal nesta temporada. Alguns deles, inclusive, já receberam propostas de times do Sul e Sudeste do Brasil.

“Quando a gente faz um trabalho com calma, seriedade, com muita paixão e amor, as coisas saem de acordo com o que convém. Na Copa São Paulo, chegaram propostas para vários jogadores. Tem algumas coisas em negociações e quem se destacou vai compor o elenco profissional”, disse o diretor das categorias de base do Santa, Rogério Guedes. Para o diretor, nesse sentido, a Cobra Coral conseguiu se reposicionar no mercado do futebol. “O Santa volta ao cenário de ser um clube formador, que está revelando. O Santa passou muito tempo para poder fazer uma negociação. Para quase metade do time titular chegou proposta, clubes chegando, querendo fazer parceria”, concluiu.

Veja também

Conmebol defende Copa América e diz que torneio não foi feito 'às pressas'
Futebol

Conmebol defende Copa América e diz que torneio não foi feito 'às pressas'

Eriksen não teve Covid, nem foi vacinado, diz diretor da Inter de Milão
Futebol

Eriksen não teve Covid, nem foi vacinado, diz diretor da Inter de Milão