Basquete brasileiro vê cenário mais difícil após adiamento olímpico

Remarcação dos Jogos de Tóquio para 2021 deve forçar seleção masculina a tentar vaga com elenco ainda veterano

Leandrinho em ação pelo BrasilLeandrinho em ação pelo Brasil - Foto: AFP

O basquete brasileiro apresenta um cenário preocupante que já se arrasta há anos. Uma das provas que atentam tal afirmação envolve o time feminino do Brasil, ausente pela primeira vez dos Jogos Olímpicos desde a edição de 1988. O esquadrão masculino, por outro lado, embalou uma sequência de duas Olimpíadas seguidas (2012 e 2016). Para estar na próxima edição, porém, os brasileiros terão que ralar. A última vez que o maior evento esportivo do planeta não contou com a seleção brasileira em nenhum dos naipes da modalidade foi em 1976. Um período que antecedeu a chegada dos ídolos Oscar Schmidt, Magic Paula e Hortência.

Com a seleção feminina fora das Olimpíadas, resta ao esquadrão masculino a responsabilidade de levar a bandeira brasileira à competição. O caminho para isso acontecer, no entanto, se tornou ainda mais difícil após a pandemia da Covid-19. Isso porque os Jogos foram adiados para o próximo ano, assim como o Pré-Olímpico, que seria disputado pelos comandados de Aleksandar Petrovic. A competição ocorreria em junho deste ano foi remarcada para acontecer entre 22 de junho e 04 de julho de 2021, o novo ano dos Jogos de Tóquio. As novas datas, porém, ainda precisam ser chanceladas pelo Comitê Olímpico Internacional.

O grupo do Brasil contará com Croácia e Tunísia. As duas melhores equipes avançam e enfrentam os dois melhores da chave formada por Rússia, Alemanha e México. A vaga para os Jogos Olímpicos, no entanto, só será destinada ao primeiro colocado da chave. Além do nível dos jogos que tende a ser dificílimo, os grandes destaques brasileiros já são veteranos e, com a competição sendo disputada apenas no próximo ano, estarão ainda mais velhos.

A Copa do Mundo de Basquete, disputada em 2019, foi a última competição que Petrovic contou com os principais nomes brasileiros. A participação teve altos e baixos, mas os grandes destaques foram os mesmos que nos acostumamos a acompanhar nos últimos 10 anos. No Pré-Olímpico, todos chegarão com pelo menos 36 anos e a dúvida sobre como esses atletas estarão é latente. Anderson Varejão (37), Leandrinho (37), Alex Garcia (40), Marcelinho Huertas (36) e Marquinhos (35) continuam sendo os pilares de uma seleção já envelhecida e com falta de renovação.

Além de tudo isso, a pandemia do novo coronavírus os afastou das quadras e ainda não se pode contabilizar o quanto isso vai prejudicar a preparação dos atletas, principalmente quando levamos em conta a idade deles. É difícil imaginar que os veteranos abandonem o barco da seleção, mas também é possível afirmar que eles estavam se preparando para disputar o Pré-Olímpico neste ano. Prolongar seu planejamento por mais uma temporada pode não estar nos planos de um ou dois atletas destes citados.

Leia também:
Brasil perde invencibilidade para República Tcheca no Mundial de Basquete
Petrovic convoca seleção para eliminatórias da Americup
Petrovic convoca Brasil para o Mundial de basquete

Petrovic, no entanto, pode tentar observar o copo meio cheio. Yago (20), Didi (20) e Bruno Caboclo (23) estiveram no elenco do Mundial e, por ainda serem atletas jovens, têm perspectiva de evoluir e chegarem mais prontos para o Pré-Olímpico. Dos três, Didi é quem mais empolgou no pós-Copa do Mundo. O ala foi draftado pelo New Orleans Pelicans, mas seguiu para jogar na Austrália, onde vem fazendo um bom campeonato. Louzada, inclusive, conseguiu levar o Sidney Kings à final, mas a decisão não aconteceu devido à pandemia.

Outros nomes que não são nem veteranos nem jovens precisam ser o equilíbrio da equipe, assim como foram no Mundial. São eles Rafael Luz (28) e Vítor Benite (30). A grande decepção da Copa do Mundo, Cristiano Felício (27), tem qualidade, segue na NBA e precisa melhorar seu jogo com o selecionado nacional.

Se a missão de Petrovic já era difícil, essa consequência do coronavírus dificultou ainda mais o projeto do treinador. Os próximos passos ainda são incertos e o que resta é acreditar que a experiência dos principais jogadores se aliarão a uma melhora considerável do núcleo jovem brasileiro.

Veja também

No Paraná, jogadores são afastados após suspeita de fraude em teste de Covid
Futebol

No Paraná, jogadores são afastados após suspeita de fraude em teste de Covid

Presidente da UEFA diz que semifinais da Liga dos Campeões não estão ameaçadas
Futebol Internacional

Presidente da UEFA diz que semifinais da Liga dos Campeões não estão ameaçadas