Boliviana explica revisão em plano de voo da Chape e refúgio no Brasil

Em entrevista ao SporTV, Célia ressaltou que sua função não era de impedir que a aeronave decolasse

 Com investimento de R$ 34 milhões da Prefeitura do Recife, ação levará a luz em LED para áreas mapeadas pelo Pacto Pela Vida. Ao final da ação, o Recife terá 40% da Iluminação Pública da cidade em LED Com investimento de R$ 34 milhões da Prefeitura do Recife, ação levará a luz em LED para áreas mapeadas pelo Pacto Pela Vida. Ao final da ação, o Recife terá 40% da Iluminação Pública da cidade em LED - Foto: Andrea Rego Barros / PCR

A funcionária da AASANA (Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea) que revisou o plano de voo da Chapecoense em Santa Cruz de La Sierra (Bolívia) e que está refugiada no Brasil, Célia Castedo, deu sua primeira entrevista após pedir refúgio no país e contou sobre o dia em que recebeu o plano da Lamia para o voo com o elenco da Chapecoense e jornalistas que seguia para Medellín (Colômbia). A boliviana ainda revelou o motivo de ter pedido refúgio no Brasil.

Em entrevista ao SporTV, Célia apareceu com um papel que seria uma cópia do plano de voo da Chapecoense, na qual mostra os cinco pontos considerados equivocados no plano de voo da Lamia, mas ressalta que sua função não era de impedir que a aeronave decolasse, que o procedimento feito pela "AASANA não passa de formalidade".

"A minha função é revisar minuciosamente o plano de voo para dar ao piloto ou ao despachador da linha aérea. Minhas observações foram feitas em cinco lugares. Em rota, alternativa, em autonomia, em terminar de preencher sobre a cor da aeronave e a parte onde deveria estar o nome do despachante. O combustível era exatamente o tempo da rota. Mas isso é claro que a parte de informação suplementar é de conhecimento somente da empresa aérea. A parte operacional, só a linha aérea pode mudar. Não podemos pedir uma mudança para que mudem diretamente. Somente eles é que sabem os pesos da aeronave, etc. não tinha como impedir o voo. Recebemos o plano de voo como uma formalidade do documento de voo", disse Célia Castedo.

Celia ainda explicou o motivo de ter pedido refúgio no Brasil: sentiu-se ameaçada na Bolívia. "Porque na Bolívia me subtraíram todos os direitos, não me deram tempo para me defender. Fui acusada duas vezes na mesma tarde. Na Bolívia não me deram oportunidade de me defender, me sentia ameaçada", comentou.

"No dia depois do acidente eu recebi ameaças escritas, de morte, como se eu fosse a culpada do acidente. Me assustei muito quando recebi essas ameaças. Estão me acusando diretamente de algo que sou inocente e estão me ameaçando sem saber a minha verdade e esclarecer para as pessoas que sou inocente. Sei que as pessoas reagem de forma emocional, mas aos poucos se deram conta que eu não sou culpada", relembrou a boliviana.

Veja também

COI diz que Jogos Olímpicos não serão afetados por estado de emergência em Tóquio
Olimpíada

COI diz que Jogos Olímpicos não serão afetados por estado de emergência em Tóquio

Grêmio anuncia oficialmente Tiago Nunes como novo técnico
Futebol

Grêmio anuncia oficialmente Tiago Nunes como novo técnico