Museu

Botafogo lança obras de novo museu e espera 200 mil visitantes ao ano

A proposta não é apenas tratar do futebol, mas também de outras modalidades em que o Botafogo se destacou, como o remo

Museu do BotafogoMuseu do Botafogo - Foto: Fred Gomes/Divulgação

O Botafogo anuncia nesta quarta-feira (8), data em que completa 79 anos, a construção de seu novo museu, em sua sede de General Severino. A previsão é que as obras demorem exatamente um ano, e que a primeira parte da instalação seja aberta ao público no dia em que o clube irá comemorar os 80 anos de sua fundação. O projeto será desenvolvido pela Mude Brasil, empresa que já construiu outros museus esportivos pelo mundo e também está desenvolvendo um trabalho semelhante no Flamengo.

A entrada deverá ter o valor de aproximadamente R$ 35. Um estudo de impacto econômico está sendo preparado para saber em quanto a construção da atração impactará positivamente a cidade. A Coordenação do Projeto está a cargo de Ricardo Macieira, arquiteto e ex-Secretário Municipal de Cultura do Rio.

A proposta não é apenas tratar do futebol, mas também de outras modalidades em que o Botafogo se destacou, como o remo, e outros temas que não são ligados ao futebol diretamente, como a música. Marcelo Fernandes, CEO da Mude Brasil, contou que haverá uma parte dedicada a relação do Botafogo com a seleção brasileira e também com a MPB. Garrincha, o maior ídolo do clube, terá também uma área temática. Além disso, será construída uma estátua para ele. 

"O museu tem uma grande âncora que é o futebol. E tem a relação do Botafogo com a seleção brasileira. Hoje o Botafogo é o clube que mais tem campeões do mundo. A ideia é também falarmos de outros esportes e explorar o rol de torcedores célebres que acabam extrapolando o tema esportivo e abrangendo outras narrativas", disse Marcelo. 
 

Segundo contou o Daniel Gazzo, fundador da Mude, o museu será interativo, tecnológico e terá diversas exposições temporárias, justamente para fazer com que o torcedor se habitue a frequentar o local. Ele diz que impossível fazer com que torcedores de outros clubes visitem o local, mas afirma que o Botafogo tem condições de conseguir 200 mil visitantes por ano. Ele usou como exemplo os museus do Boca Juniors e River Plate, que foram desenvolvidos por ele. Segundo contou, números pré-pandemia mostravam que Boca Juniors e River Plate recebiam 400 mil e 250 mil pessoas em seus museus, respectivamente.  

"Isso não é possível (torcedores de outros clubes visitarem o local). Nossa experiência diz que um torcedor de Boca não vai ao museu do River e vice-versa. O público é de torcedores e os turistas estrangeiros e do interior. O museu do Boca recebe mais visitantes do que o do River porque a localização é menos atrativa para os visitantes, mas há público para ambos", contou. 

Entre as atrações que o museu poderá ter, uma está em negociação e depende de aprovação. O projeto prevê a construção de um farol que refletirá a estrela solitária à noite. A estrutura deve ter aproximadamente 30 metros de altura. O Botafogo e a Mude conversam com os órgãos competentes para saber se a ideia é viável e segura.  

O projeto é avaliado em aproximadamente R$ 10 milhões, e diferente do museu do Flamengo, se beneficiará apenas da Lei de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro e de um patrocinador, por enquanto. Também está sendo estudada a possibilidade de financiamento coletivo em que os torcedores poderão ajudar na construção do museu e ter alguma vantagem como retorno. 

O museu do rubro-negro está envolvo a uma polêmica sobre a origem de parte do orçamento para a sua construção. Segundo uma reportagem do “Estadão”, R$ 3,7 milhões do total de R$ 18 milhões foram dados pela Agência Estadual de Fomento (AgeRio) à Mude Brasil através de um empréstimo. O valor, no entanto, faz parte de uma verba emergencial de R$ 5 bilhões, viabilizada pelo Ministério do Turismo, a ser disponibilizada para pequenas e médias empresas do setor do turismo para evitar que elas entrem em recuperação judicial. 

Procurada, a Agerio esclareceu que “trata-se de financiamento com respaldo legal e dentro das regras estabelecidas pelo Ministério do Turismo” E que “houve vasta análise técnica por parte da AgeRio sobre o impacto do projeto executado pela Mude Brasil e os respectivos impactos positivos no Turismo do Estado do Rio”. A agência finalizou informando que “o cronograma de execução do projeto de ampliação do museu foi significativamente impactado pelos efeitos da pandemia da Covid-19 na cadeia de fornecimento dos produtos e serviços relacionados a sua execução, impossibilitando a sua conclusão e inauguração dentro do prazo projetado”. 

Já a Mude Brasil informou o empréstimo está em linha com o determinado pelo Tribunal de Contas da União. Além de que a verba foi solicitada a Agerio “atendendo a todos os pré-requisitos necessários à competência da agência: concessão de crédito, com prazos e taxas de juros devidamente estabelecidos, a projetos que gerem retorno financeiro e de desenvolvimento ao Estado do Rio de Janeiro”. A empresa também frisou que “segundo a FGV, o índice de alavancagem econômica do projeto aponta que para cada R$ 1 investido, R$ 37 retornam para a economia do estado, seja em forma de impostos, na geração de postos de trabalho ou no incremento de serviços ligados ao turismo”.

Veja também

Nome do Robinho sai no BID, mas Timbu segue sem quarteto regularizadoFutebol

Nome do Robinho sai no BID, mas Timbu segue sem quarteto regularizado

Parado na Lei Seca, Adriano Imperador se recusa a fazer teste do bafômetroRio de Janeiro

Parado na Lei Seca, Adriano Imperador se recusa a fazer teste do bafômetro